Japão proíbe entrada de estrangeiros até o fim de janeiro devido à Covid-19

A medida entra em vigor devido à detecção de uma nova variante do novo coronavírus no Reino Unido

Área comercial em Tóquio em meio à pandemia da Covid-19
Área comercial em Tóquio em meio à pandemia da Covid-19 Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Chris Gallagher,

da Reuters, em Tóquio

Ouvir notícia

O Japão proibiu, neste sábado (26), a entrada de estrangeiros que não residem no país até o fim de janeiro devido à detecção da nova variante da Covid-19 localmente. A medida entrará em vigor a partir do dia 28 de dezembro, de acordo com nota enviada à imprensa.

Os cidadãos japoneses e estrangeiros que residem no país poderão cruzar as fronteiras, mas devem apresentar um teste negativo para a Covid-19 feito até 72 horas antes do embarque, e cumprir uma quarentena de 14 dias depois da chegada. 

O Japão reportou na sexta-feira (25) seus primeiros casos da variante recente do novo coronavírus, em passageiros retornando do Reino Unido. A nova cepa também foi detectada em um homem que esteve no Reino Unido e em sua família – os primeiros casos identificados por transmissão fora dos aeroportos – de acordo com a Nippon TV neste sábado (26).

Segundo estudos, o país registrou 3.823 novos casos de Covid-19 na sexta-feira (25), estabelecendo o recorde diário de infecções pelo terceiro dia consecutivo. Até o momento, o Japão possui 218.452 casos e 3.052 mortes devido ao vírus.

Com as celebrações de Ano-Novo centradas em encontros familiares e visitar a templos, os especialistas alertam para o fato de que restrições públicas serão essenciais para prevenir que as taxas de infecção subam ainda mais.

Leia também:
Uma pessoa morre de Covid-19 a cada 10 minutos no condado de Los Angeles
França e Irlanda confirmam primeiros casos de variante da Covid-19
Nova variante da Covid-19 é entre 50% e 74% mais contagiosa, afirma estudo

A nova cepa da Covid-19 foi detectada no Reino Unido em dezembro de 2020. De acordo com pesquisas recentes, a variação pode ser entre 50 a 70% mais contagiosa que as anteriores. Entretanto, não foram detectadas mudanças signficativas no agravamento da doença – ou seja, apesar de se espalhar mais rápido, a nova cepa do SARS-CoV-2 não é mais grave.

As empresas responsáveis pela produção das vacinas contra a Covid-19 estão realizando pesquisas acerca da eficácia dos imunizantes contra a nova cepa do vírus, entretanto, especialistas afirmam que a eficácia não deve ser afetada.

Mais Recentes da CNN