Lote com 10 mil testes da Covid-19 chega ao Rio de Janeiro

O início da testagem em massa de Covid-19 na capital carioca começa na próxima segunda-feira (11)

Isabelle Saleme e Pauline Almeida, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A prefeitura do Rio de Janeiro recebeu neste domingo (10) um lote com 10 mil testes para Covid-19. O início da testagem na capital carioca começa na próxima segunda-feira (11) nos Centros Municipais de Saúde e Clínicas da Família da capital. Esse primeiro lote, doado por um grupo de empresários cariocas, faz parte dos 450 mil testes que a prefeitura quer fazer ainda no primeiro trimestre de 2020. 

Leia também

Doria cobra ‘senso de urgência’ da Anvisa para aprovar Coronavac

Paes diz que pode adotar medidas “mais enérgicas” para conter aglomerações

Pandemia derruba visitas ao Cristo Redentor; monumento faz 90 anos em 2021

Apesar de serem testes rápidos, eles utilizam o swab, assim como o RT-PCR. Os resultados, que são considerados mais confiáveis, ficam prontos em até 20 minutos. O exame tem que ser feito entre o primeiro e o oitavo dia de sintomas. A população deve entrar em contato pelo telefone 1746 ou por um aplicativo, que ainda será divulgado, e informar o que está sentido. Uma equipe de saúde vai entrar em contato pra saber se precisa ou não fazer o teste.

Quem apresentar resultado positivo será acompanhado pelos profissionais. A secretaria de saúde também prometeu fazer um rastreamento de contato, para interromper a cadeia de transmissão. O secretário da pasta, Daniel Soranz, chegou a falar que podem haver bloqueios em áreas específicas, caso sejam detectados muitos casos em uma empresa ou local, por exemplo.

Na manhã deste domingo (10) ele esteve com o prefeito, Eduardo Paes, no Centro de Distribuição da pasta. Eles visitaram o estoque e estiveram na a câmara fria, que vai abrigar as vacinas contra Covid-19, assim que chegarem ao Rio.

Em conversa com os jornalistas, Paes voltou a afirmar que vai seguir o calendário do Plano Nacional de Imunização. “A gente tinha feito um acordo com o Butantan, mas não precisou valer o acordo, o termo de cooperação, porque o governo federal comprou todas as vacinas. (46 milhões de doses). E nós vamos fazer aquilo que é o mais normal, o civilizado, que é um Plano Nacional de Imunização”, disse.

Na última sexta-feira, durante a divulgação do primeiro boletim epidemiológico da nova gestão, o prefeito tinha comentado sobre a possibilidade da compra de mais de 3milhões de doses da Coronavac. E chegou a dizer que o Rio estaria pronto para vacinar junto com São Paulo, em 25 de janeiro.

O secretário de saúde mostrou caixas de agulhas e seringas e disse que a distribuição dos insumos para vacinação começa amanhã. A expectativa é que a imunização comece entre 20 e 25 de janeiro. “O Butantan já apresentou pra Anvisa o pedido de registro, mas também solicitou a distribuição das vacinas que estejam lá, mesmo antes do seu registro. A nossa expectativa é que, ao longo da próxima semana, a gente já começar a receber vacinas do Instituto Butantan ou que essa cadeia de logística já começa a ficar mais clara”, afirmou Soranz.

O prefeito voltou a defender as restrições de acordo com o risco de contágio da Covid. Ele afirmou que um decreto deve ser publicado, essa semana, com novas regras para as regiões administrativas que estão com maior risco de transmissão. O primeiro boletim da nova gestão da prefeitura apontou que 18 áreas do Rio tem risco alto de contágio e 15 apresentam risco moderado.

 

Mais Recentes da CNN