Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Milhares de mortes nos EUA estão ligadas a erros de diagnóstico, diz estudo

    Estimativa aponta que quase 800 mil casos, sejam de morte ou incapacidade permanente, podem ser resultado da imperícia médica

    Deidre McPhillipsda CNN

    O diagnóstico incorreto de doenças ou outras condições médicas leva a centenas de milhares de mortes e incapacidades permanentes a cada ano nos Estados Unidos, de acordo com um relatório publicado nesta semana.

    Como resultado, cerca de 371 mil pessoas morreram e outras 424 mil sofrem de deficiências permanentes – como danos cerebrais, cegueira, perda de membros ou órgãos, ou câncer metastático – a cada ano.

    Para fazer a estimativa, os pesquisadores usaram dezenas de estudos anteriores para avaliar com que frequência certas condições passavam despercebidas e com que frequência isso levava a sérios danos. Esse risco foi então dimensionado pela taxa de incidência de novos casos na população total dos EUA.

    “Os pacientes não devem entrar em pânico ou perder a fé no sistema de saúde”, escreveram os pesquisadores no estudo. No geral, há menos de 0,1% de chance de danos graves relacionados ao diagnóstico incorreto após uma consulta de saúde.

    Quase 40% desses resultados graves, incluindo morte e incapacidade permanente, estão ligados a erros no diagnóstico de um grupo de cinco condições: acidente vascular cerebral, sepse, pneumonia, tromboembolismo venoso (um coágulo de sangue em uma veia) e câncer de pulmão.

    “Essas são doenças relativamente comuns que passam despercebidas com relativa frequência e estão associadas a uma quantidade significativa de danos”, disse o Dr. David Newman-Toker, neurologista da Universidade Johns Hopkins.

    Ele liderou a equipe de pesquisa do estudo do Johns Hopkins Armstrong Institute Center for Diagnostic Excellence, em parceria com pesquisadores da Risk Management Foundation of Harvard Medical Institutions Inc.

    Embora essas cinco condições não sejam as mais mal diagnosticadas, elas têm o maior impacto, e os resultados do estudo podem ajudar a priorizar áreas de investimento e intervenções, disse ele.

    O abscesso espinhal, uma infecção do sistema nervoso central, é diagnosticado erroneamente em mais de 60% das vezes, de acordo com o relatório. Mas com 14 mil novos casos a cada ano no total, isso leva a cerca de 5 mil danos graves – uma parcela relativamente pequena da carga geral de erros de diagnóstico.

    Mas o derrame, que o relatório descobriu ser a principal causa de danos graves, é uma condição relativamente comum com alto risco de resultados graves e é diagnosticado incorretamente com mais frequência do que a média.

    Cerca de 950 mil pessoas sofrem um derrame a cada ano nos Estados Unidos, e ele não ocorre em cerca de 18% dos casos, de acordo com o relatório – levando a cerca de 94 mil danos graves a cada ano.

    / Image by stefamerpik

    Os erros de diagnóstico são normalmente o resultado da atribuição de sintomas inespecíficos a algo mais comum e talvez menos grave do que a condição que realmente está causando isso, dizem os especialistas.

    “Ocasionalmente, temos pessoas que recebem tratamentos inadequados para uma doença que não têm e sofrem danos com isso”, disse Newman-Toker. “Muito mais comum é uma doença com risco de vida que não é percebida porque as manifestações são mais brandas ou menos óbvias”.

    Quando alguém tem dificuldade para falar e mover um braço, é fácil diagnosticar um derrame. Mas um derrame também pode causar tontura ou dor de cabeça, que podem ser sintomas de muitas outras coisas.

    Ataques cardíacos também podem causar sintomas vagos, como dor torácica geral. Mas eles são significativamente menos propensos a serem diagnosticados erroneamente, com menos de 2% de erro, de acordo com o relatório.

    O sucesso no diagnóstico de ataques cardíacos exigiu uma década de esforços concentrados, disse Newman-Toker. O processo começou reconhecendo que o erro de diagnóstico era um problema, o que levou ao investimento de fundos em pesquisas e exigências regulatórias em torno do monitoramento do desempenho.

    “Você acaba tendo um sistema de atendimento que se concentra em não perder ataques cardíacos”, disse ele. “É o modelo do que poderíamos estar fazendo”.

    / Anchiy/Getty Images

    Geralmente, porém, os erros de diagnóstico são diferentes de outras áreas da segurança do paciente – como cirurgias feitas no local errado, quedas ou erros de medicação – porque a ligação entre uma ação e um resultado é menos direta, disse o doutor Daniel Yang, internista e diretor de programa da iniciativa de excelência diagnóstica da Gordon and Betty Moore Foundation.

    “Erros de diagnóstico são erros de omissão”, disse Yang, que não participou do novo estudo. “A questão é: [o resultado] poderia ser evitado se tivéssemos feito algo diferente antes? Muitas vezes, esse é um julgamento sobre o qual dois médicos podem discordar”.

    E questões sistêmicas mais amplas no sistema de saúde desafiam esse processo. “A jornada de diagnóstico não é realmente uma decisão única em um ponto do tempo”, disse Yang. “É uma odisseia que se desenrola da noite para o dia, em alguns casos, dias, semanas, meses e até anos. Abrange vários ambientes de atendimento e diferentes tipos de médicos”.

    Mas vários pontos de atendimento estão desconectados e os provedores geralmente não têm um entendimento completo do histórico do paciente, disse ele.

    Essa fragmentação – com registros dispersos de cada encontro com atenção básica, especialistas, clínicas e pronto-socorros – apresenta oportunidades para que as informações se percam no caminho, deixando o paciente montar sozinho todas as peças do quebra-cabeça.

    Um relatório de 2015 das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina destacou maneiras pelas quais os pacientes podem desempenhar um papel em sua própria jornada de diagnóstico, com uma lista de verificação que inclui manter um bom registro do histórico médico pessoal, manter-se informado sobre condições, exames e medicamentos relevantes e manter o acompanhamento com profissionais com perguntas sobre quaisquer alterações ou próximas etapas.

    O estudo captura especificamente erros de diagnóstico entre pacientes atendidos em ambientes de assistência médica. Mas o fardo provavelmente é significativamente maior quando se considera todas as pessoas que não procuraram atendimento e não podem receber o tratamento ideal porque o diagnóstico está acontecendo mais tarde do que deveria, segundo Yang.

    “O hospital pode fornecer cuidados diagnósticos perfeitos. Mas se alguém passa meses esperando para ver um médico em primeiro lugar, não importa o quão bom seja o sistema de saúde, porque a fase de diagnóstico vai ser mais tarde”, disse ele.

    Veja também: Sinais que podem indicar problemas na saúde mental

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original