Ministério da Saúde deixa de receber 9,9 milhões de doses de vacinas em março

Ao todo, o país deixou de receber 1,9 milhão de doses por meio do consórcio global Covax Facility e outros 8 milhões da vacina Covaxin

Cassius Zeilmann, da CNN, em Brasília

Ouvir notícia

Dos 38 milhões de doses previstas para serem distribuídas no mês de março pelos laboratórios ao Ministério da Saúde, 9,9 milhões não foram entregues ao governo brasileiro. Ao todo, o país deixou de receber 1,9 milhão de doses por meio do consórcio global Covax Facility e outros 8 milhões da vacina Covaxin, da farmacêutica indiana Bharat Biotech.

O Brasil havia recebido no dia 21 de março os primeiros imunizantes do consórcio Covax Facility. Pouco mais de 1 milhão de doses de vacinas foram importados da fábrica da AstraZeneca, na Coreia do Sul. Um segundo carregamento, com 1,9 milhão de doses, estava previsto para chegar de forma escalonada até o fim de março. No entanto, esse lote não chegou ao país.

Em relação a Covaxin, das 20 milhões de doses acordadas com o Ministério da Saúde, 8 milhões deveriam chegar ainda em março. Mas o carregamento também não foi entregue. Além disso, o pedido de Certificação de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos da Bharat Biotech foi rejeitado pela Anvisa nesta terça-feira (30).

Dose da vacina indiana da Bharat Biotech, de nome Covaxin
Dose da vacina indiana da Bharat Biotech, de nome Covaxin
Foto: Adnan Abidi/Reuters

 

O Ministério da Saúde disse, em nota, que o cronograma de entregas de vacinas contra a Covid-19 é enviado pelos laboratórios fabricantes para a pasta e pode sofrer constantes alterações de acordo com a produção dos insumos.

A pasta informou que foi comunicada pela direção da Covax Facility sobre um possível atraso nas entregas de vacinas e que o restante das doses deverá ser entregue até maio.

A CNN entrou em contato com o laboratório Bharat Biotech e aguarda um posicionamento sobre o atraso.

Mais Recentes da CNN