Moderna envia dados aos EUA para dose de reforço de vacina contra a Covid-19

Estudos revelaram que terceira dose do imunizante aumentaram os anticorpos em todas as faixas etárias e contra variantes do coronavírus

Moderna envia dados para terceira dose de sua vacina nos EUA
Moderna envia dados para terceira dose de sua vacina nos EUA Getty Images

Douglas Portoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A Moderna anunciou nesta quarta-feira (1º) que está enviando à Agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) uma apresentação sobre a dose de reforço de sua vacina contra a Covid-19 com 50 microgramas. A empresa ainda enviará os dados à Agência de Europeia de Medicamentos (EMA) e a outras autoridades regulatórias nos próximos dias. A vacina não é utilizada até o momento no Brasil.

“Continuamos comprometidos em nos manter à frente do vírus e acompanhar a evolução da epidemiologia do SARS-CoV-2. Continuaremos a gerar dados e compartilhar de forma transparente para apoiar governos e reguladores enquanto eles tomam decisões baseadas em evidências sobre estratégias de vacinação futuras”, diz o laboratório em nota.

O estudo da fase 2 do imunizante foi alterado para que pessoas que tomaram a segunda dose há seis meses recebam a dose de reforço. Os resultados mostram que uma dose a mais aumentou o número de anticorpos neutralizantes do coronavírus em todas as faixas etárias, principalmente em pessoas idosas com mais de 65 anos. Ainda subiram os efeitos contra as variantes da Covid-19, combatendo o vírus em 32 vezes mais na Beta, 43 vezes na Gama e 42,3 vezes na Delta.

A vacina da Moderna utiliza a técnica de RNA mensageiro (mRNA), semelhante a da Pfizer, onde o material genético sintético carrega o código genético do SARS-Cov-2 (o coronavírus) e estimula o corpo a produzir anticorpos.

A autorização de uso emergencial foi concedia em dezembro de 2020 nos EUA e recebeu aprovação em mais 50 países. O Brasil não se encontra na lista, onde apenas as vacinas Coronavac, AstraZeneca, Pfizer e Janssen possuem registro.

Mais Recentes da CNN