Mortes por malária aumentaram em 2020 devido às restrições da Covid-19, diz OMS

Mais de 627.000 pessoas em todo o mundo foram mortas pela malária no ano passado, em comparação com 558.000 em 2019

As larvas de Anopheles stephensi estão agora "abundantemente" em recipientes de água em cidades da Etiópia. Essa espécie é o principal vetor de mosquitos da malária
As larvas de Anopheles stephensi estão agora "abundantemente" em recipientes de água em cidades da Etiópia. Essa espécie é o principal vetor de mosquitos da malária Foto: Radboud University Medical Center/ CNN/ Reprodução

Alessandra Prenticeda Reuters

Ouvir notícia

Interrupções na saúde ligadas à pandemia do novo coronavírus fizeram com que a malária causasse 69 mil mortes a mais em 2020, em comparação com o ano anterior. Entretanto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta segunda-feira (6), o pior cenário foi evitado.

No total, mais de 627.000 pessoas em todo o mundo – a maioria delas bebês nas partes mais pobres da África – foram mortas pela malária no ano passado, em comparação com 558.000 em 2019, disse a OMS em seu relatório anual sobre a malária.

O número supera as 224.000 pessoas que morreram de coronavírus na África desde o início da pandemia.

Cerca de dois terços das mortes adicionais por malária em 2020 foram devido às restrições do coronavírus que interromperam a prevenção, diagnóstico e tratamento da malária, disse a OMS.

Mas os esforços para manter os serviços de saúde, apesar dos desafios, significaram que a África Subsaariana não viu a duplicação das mortes por malária em 2020, que a OMS havia alertado ser uma possibilidade.

Em vez disso, o número de mortes na região aumentou 12% em comparação com 2019, de acordo com dados da OMS.

“Graças a esforços urgentes e extenuantes, podemos afirmar que o mundo conseguiu evitar o pior cenário de mortes por malária”, disse Pedro Alonso, diretor do programa global de malária da OMS.

Os especialistas esperam que a luta contra a malária possa ganhar terreno considerável após a recomendação da OMS em outubro de que RTS, S – ou Mosquirix – uma vacina desenvolvida pela farmacêutica britânica GlaxoSmithKline deve ser amplamente administrada a crianças na África.

“Com mais financiamento, acesso a ferramentas que salvam vidas e inovação robusta em novas ferramentas para ficar à frente do mosquito e parasita em evolução, podemos acelerar a ação transformadora e acabar com a malária em uma geração”, disse Abdourahmane Diallo, executivo-chefe da RBM Grupo de defesa da Parceria para Acabar com a Malária.

“Estamos agora em um momento crítico e exorto os líderes globais a um compromisso e investimento renovados”, disse ele em um comunicado.

Mais Recentes da CNN