Mulheres que sofrem abuso sexual têm mais risco de danos cerebrais, diz estudo

Exames de ressonância magnética mostraram alterações no cérebro das vítimas semelhantes aos indicadores de derrame, demência e perda cognitiva

Foto: Elza Fiuza/ Agência Brasil

Sandee LaMotteda CNN

Ouvir notícia

Mulheres que foram abusadas sexualmente têm um risco maior de desenvolver um tipo de dano cerebral que tem sido associado ao declínio cognitivo, demência e derrame, descobriu um novo estudo.

“Pode ser abuso sexual na infância ou agressão sexual quando adultas”, disse a autora do estudo Rebecca Thurston, professora e diretora do Laboratório de Saúde Biocomportamental da Mulher da Escola de Graduação em Saúde Pública da Universidade de Pittsburgh.

“Com base em dados populacionais, a maioria das mulheres sofre suas agressões sexuais no início da adolescência e no início da idade adulta”, acrescentou ela, “portanto, essas são provavelmente as primeiras experiências das quais estamos vendo as marcas mais tarde na vida”.

Manifestações físicas

O novo estudo, apresentado na quinta-feira (16) na reunião anual da Sociedade Norte-Americana de Menopausa, adiciona um crescente corpo de pesquisas sobre o impacto de longo prazo da agressão sexual no corpo e na mente.

“Precisamos manter nossa atenção nesta questão da violência sexual contra as mulheres e não deixá-la cair do radar da sociedade, porque continua a ser um grande problema de saúde da mulher”, disse Thurston.

Estudos anteriores descobriram que o trauma sexual está ligado a níveis mais altos de triglicerídeos e pressão arterial na meia-idade, e um risco três vezes maior de desenvolver placa carotídea, todos os principais fatores de risco para doenças cardíacas.

Além disso, um estudo de 2018 conduzido por Thurston descobriu que mulheres que relataram abuso sexual anterior tinham três vezes mais probabilidade de sofrer de depressão e duas vezes mais probabilidade de ter ansiedade e insônia elevadas do que mulheres sem histórico de trauma sexual.

Depressão, ansiedade e distúrbios do sono estão todos ligados a piores resultados de saúde, incluindo doenças cardíacas, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

As estatísticas do CDC também mostram que mais de uma em cada 3 mulheres nos Estados Unidos (e 1 em cada 4 homens) sofrem abuso sexual pelo menos uma vez na vida.

Considerando o impacto generalizado, Thurston disse que os médicos deveriam perguntar a seus pacientes sobre qualquer trauma sexual anterior e, em seguida, monitorar cuidadosamente o risco cardiovascular da mulher à medida que ela envelhece.

Mulheres que foram sexualmente traumatizadas também devem se sentir capacitadas para falar e contar aos médicos, acrescentou ela.

“Absolutamente compartilhe essas informações com seus provedores de saúde”, disse Thurston. “Isso não é sua culpa, então, por favor, compartilhe o que você se sente confortável em divulgar. É uma informação importante que tem implicações para sua saúde física e seu bem-estar emocional.”

Olhando para o cérebro

O novo estudo, que será publicado em breve na revista Brain Imaging and Behavior, buscou sinais de hiperintensidade da substância branca nas varreduras cerebrais de 145 mulheres de meia-idade sem histórico anterior de doença cardiovascular, derrame ou demência. No entanto, 68% dos participantes experimentaram traumas e, para 23% das mulheres, esse trauma foi abuso sexual.

As hiperintensidades da substância branca, que aparecem como pequenas manchas brancas nas ressonâncias magnéticas, são marcadores de interrupções no fluxo sanguíneo que causaram danos ao cérebro.

“Usando imagens cerebrais, descobrimos que mulheres com histórico de violência sexual têm maior hiperintensidade da substância branca no cérebro, o que é um indicador de doença de pequenos vasos que tem sido associada a derrame, demência, declínio cognitivo e mortalidade”, disse Thurston.

O estudo controlou outras doenças e condições que afetariam o desenvolvimento de hiperintensidades da substância branca, como idade, hipertensão, tabagismo e diabetes.

O estudo também controlou para distúrbios emocionais, incluindo depressão, ansiedade e sintomas de transtorno de estresse pós-traumático (PTSD).

O aumento das hiperintensidades da substância branca “não foi explicado por esses sintomas subjetivos de angústia”, disse Thurston.

“É quase como se seu corpo tivesse uma memória que pode não se manifestar totalmente por meio de sintomas psicológicos. O abuso sexual também deixa pegadas do trauma em nossos cérebros e em nossos corpos.”

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN