Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Na capital paulista, uso de máscara segue obrigatório em táxis e carros de aplicativos

    Uso também segue sendo exigido no transporte público e em unidades de saúde

    Motorista de Uber usa máscara e luvas (15.mar.2020)
    Motorista de Uber usa máscara e luvas (15.mar.2020) Foto: Jeenah Moon/Reuters

    Carolina Figueiredoda CNN

    em São Paulo

    Mesmo com o anúncio do fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais fechados no estado de São Paulo, a Prefeitura decidiu manter a necessidade de uso do item de proteção contra a Covid-19 em táxis e carros de aplicativo na capital paulista.

    De acordo com o decreto publicado nesta sexta-feira (18) no Diário Oficial da cidade, uma determinação de abril de 2020 que obriga o uso das máscaras no âmbito do serviço de transporte municipal de passageiros segue em vigor.

    O decreto de 2020 determina a obrigatoriedade de uso de máscaras para motoristas, cobradores e passageiros dos ônibus que integram o Sistema Municipal de Transporte Coletivo Público, trabalhadores dos terminais municipais de ônibus, além de motoristas e passageiros do transporte individual, como táxi e aplicativos.

    O uso também segue obrigatório em locais destinados à prestação dos serviços de saúde. No restante dos lugares, como restaurantes, comércios, escritórios, salas de aula e academia o uso não é mais exigido.

    Segundo o prefeito Ricardo Nunes (MDB), a medida é possível graças à ampla vacinação contra a Covid-19 na cidade. “Temos 100% dos adultos vacinados com as duas doses e 82,5% das crianças de 5 a 11 anos já receberam a primeira dose”, disse.

    Dados da Secretaria Municipal de Saúde mostram que a capital alcançou, na quinta-feira, mais de 29 milhões de doses aplicadas de vacinas contra a Covid-19.

    De acordo com o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, os índices de internação apresentam redução significativa e o cenário epidemiológico contribui para esse avanço na cidade de São Paulo. “Temos atualmente 7% de ocupação dos leitos de enfermaria e 15% das Unidades de Terapia Intensiva”, afirmou.

    Na capital, a cobertura vacinal da população com mais de 18 anos de idade está em 110% para primeira dose, em 106% para segunda dose, e em 69% para doses adicionais.