Na TV, Queiroga apela para que brasileiros não deixem de tomar segunda dose

Ministro da Saúde realizou pronunciamento na rede nacional de televisão na noite desta quarta-feira (28)

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

Em pronunciamento na rede nacional de televisão e rádio nesta quarta-feira (28), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, destacou a importância de a população retornar aos postos de imunização para vacinar-se com a segunda dose contra a Covid-19. “A imunização só estará completa assim”.

Queiroga falou sobre as medidas do governo no combate à pandemia do novo coronavírus e reiterou a necessidade da imunização dos brasileiros. 

“Seguiremos juntos com respeito às orientações e vacinação. Brasileiros com a segunda dose em atraso: busquem os postos de vacinação. A imunização só estará completa assim”, disse. 

Em seu pronunciamento, o ministro reiterou que a população deve estar totalmente imunizada até dezembro deste ano. E destacou que a vacinação vem apresentando resultados positivos nos índices da pandemia no Brasil.

“Houve uma queda de 40% no número de casos e óbitos em um mês.  Vamos continuar com a vacinação no país. 175 milhões de doses entregues aos estados e DF. Em julho, foram entregues 40 milhões de doses e mais de 60 milhões em agosto. Toda a população estará imunizada até setembro com a primeira dose e total em dezembro”, afirmou Queiroga. 

O concernimento com as variantes da Covid-19 também foi tratado pelo ministro da Saúde em pronunciamento nacional; para Queiroga “os desafios são complexos com as possíveis mutações do vírus”. 

Entretanto, Marcelo Queiroga destacou o andamento da campanha de vacinação contra a Covid-19 no país. 

“Hoje, podemos nos orgulhar do sucesso da campanha de vacinação. 100 milhões de brasileiros já receberam a primeira dose. Brasil está em 4º no Ranking de primeira dose e 5º na total imunização”, disse. 

Ministro da Saúde Marcelo Queiroga em entrevista à CNN
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga em entrevista à CNN (27.jul.2021)
Foto: Reprodução / CNN

Mais Recentes da CNN