Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Não há evidências de que quarentena de 5 dias é eficaz, diz coordenador de SP

    À CNN Rádio, Paulo Menezes defendeu que a adoção do passaporte da vacina contra a Covid-19 seria uma medida melhor a ser adotada

    Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Viajantes não vacinados devem fazer quarentena de 5 dias a partir deste sábado (11).
    Aeroporto de Viracopos em Campinas (SP). Viajantes não vacinados devem fazer quarentena de 5 dias a partir deste sábado (11). 11/04/2017REUTERS/Paulo Whitaker

    Amanda GarciaIsabel Camposda CNN em São Paulo

    O coordenador do Comitê Científico de São Paulo, Paulo Menezes, avalia que a exigência do passaporte vacinal contra a Covid-19 seria uma medida melhor do que a adotada pelo governo federal.

    Segundo portaria publicada na última quinta-feira (9), o viajante que chegar ao país sem estar vacinado terá que cumprir uma quarentena de 5 dias e, após este período, fazer um teste PCR para ser liberado.

    “Não temos evidência da eficácia da quarentena de 5 dias. Quando as pessoas cumprem isolamento, ficam por até 2 semanas, que é o tempo de incubação para que a pessoa infectada comece a apresentar sintomas”, explicou Menezes.

    De acordo com ele, dessa forma, é difícil de afirmar ao certo qual o real “impacto da medida para evitar a possível entrada de novas variantes no país.”

    “Eu espero que o governo federal mude sua posição para que possamos ter o passaporte”, completou.

    Pandemia em São Paulo

    Paulo Menezes informou que as quedas em São Paulo de casos, internações e óbitos giram em torno de 95%. “A situação da pandemia é muito melhor do que já tivemos e temos excelente cobertura vacinal da população total, com 77%.”

    “A variante Ômicron exige cautela, mas não pânico, acredito que vamos enfrentar de forma bem-sucedida, uma das medidas é evitar aglomerações de mais de um milhão de pessoas no Réveillon”, disse.

    O coordenador ainda avalia que, no caso do Carnaval do ano que vem, “ainda temos um tempo para avaliar, neste momento, ainda não seria uma situação desejável.”