Novo lote com 1,1 milhão de doses de vacina da Pfizer chega ao Brasil

Segundo a farmacêutica, outro lote será entregue ainda hoje com 1.141.920 doses do imunizante

Vacina da Pfizer contra a Covid-19
Vacina da Pfizer contra a Covid-19 Myke Sena/MS

Camila Neumamda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

A farmacêutica Pfizer entregou, neste domingo (5), mais 1.146.600  doses da vacina contra a Covid-19. A remessa desembarcou no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). É o 64° lote da farmacêutica norte-americana entregue ao governo brasileiro.

Segundo a farmacêutica, outro lote será entregue ainda hoje com 1.141.920 doses do imunizante. A previsão é que o voo chegue por volta das 16h15 ao aeroporto de Viracopos.

As doses serão destinadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, que se responsabilizará pela divisão de vacinas entre os estados e municípios.

Até o momento, mais de 51 milhões de doses da farmacêutica foram distribuídas no país, segundo o Ministério da Saúde.

A vacina da Pfizer/BioNTech é a terceira mais utilizada no Brasil, ainda de acordo com a pasta.Também estão disponíveis no PNI a Coronavac (Sinovac/Butantan) e as vacinas da Oxford/AstraZeneca e Janssen.

Pfizer como terceira dose

A partir do dia 15 de setembro, o Ministério da Saúde deve começar a vacinação de idosos e imunossuprimidos com a terceira dose, com recomendação pelo uso da vacina da Pfizer contra Covid-19.

“O nosso PNI é respeitado mundialmente, a escolha da Pfizer não foi feita pelo ministro, foi feita pelo grupo técnico [do Ministério da Saúde], disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante o anúncio feito no fim de agosto.

Em entrevista à CNN, Queiroga disse que a Coronavac não será usada como terceira dose pelo Programa Nacional de Imunizações, enquanto o imunizante produzido no Brasil pelo Instituto Butantan não tiver o registro definitivo concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“É necessário que haja a aprovação dos imunizantes para aplicação nestes grupos específicos, não podemos colocar qualquer imunizante. Só tem um deles com aprovação [definitiva] da Anvisa [incluindo os adolescentes]. E, se não tiver a aprovação da Anvisa, nós não vamos aplicar através do PNI”, disse.

A cidade de São Paulo contrariou a recomendação do ministério e disse que vai começar a vacinar idosos acima de 90 anos com a terceira dose, a partir desta segunda-feira (6), com as doses que estiverem disponíveis.

No entanto, neste domingo (5), em entrevista à CNN, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, afirmou que a capital paulista priorizará o uso de vacinas da Pfizer como terceira dose a partir do dia 15 de setembro.

“Nós, neste primeiro momento, a partir de amanhã, utilizaremos as doses que estiverem disponíveis nas nossas unidades, basicamente Pfizer, AstraZeneca e Coronavac – não temos Janssen no momento. A partir do dia 15, quando o ministério disponibilizar as doses de Pfizer, a gente deve priorizar a Pfizer como terceira dose”, disse.

 

 

 

 

Mais Recentes da CNN