Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Número de espermatozoides pode estar diminuindo no mundo, diz estudo

    Um estudo atualizado mostra que a contagem de espermatozoides caiu mais de 50% nos últimos 50 anos, mas especialistas discordam sobre o significado desses resultados

    Getty Images/Science Photo Libra

    Brenda Goodmanda CNN

    Nos últimos 50 anos, a contagem de espermatozoides parece ter caído mais de 50% em todo o mundo, de acordo com um estudo médico atualizado.

    Se essas descobertas forem confirmadas e a queda continuar, podem haver implicações importantes para a reprodução humana. Os pesquisadores dizem que isso também seria um prenúncio do declínio da saúde dos homens em geral, já que a qualidade do sêmen pode ser um marcador importante da saúde do corpo.

    O estudo e suas conclusões provocaram um debate entre os especialistas em fertilidade masculina. Alguns dizem que as descobertas são reais e urgentes, mas outros dizem que não estão convencidos pelos dados porque os métodos de contagem de esperma mudaram tanto ao longo do tempo que não é possível comparar números antigos e modernos.

    Quase todos os especialistas concordam que o assunto precisa ser mais estudado.

    “Acho que uma das funções fundamentais de qualquer espécie é a reprodução. Então, acho que se há um sinal de que a reprodução está em declínio, é uma descoberta muito importante”, disse o Dr. Michael Eisenberg, um urologista da Stanford Medicine que não esteve envolvido no estudo.

    “Existe uma forte ligação entre a saúde reprodutiva de um homem e sua saúde de forma geral. Portanto, o estudo também apontar isso, talvez não sejamos tão saudáveis ​​quanto antes”, disse ele.

    Outros dizem que, embora o estudo tenha sido bem feito, são céticos sobre as conclusões.

    “A forma como a análise do sêmen é feita mudou ao longo das décadas. Melhorou. Tornou-se mais padronizada, mas não de forma perfeita”, disse o Dr. Alexander Pastuczak, cirurgião e professor assistente de medicina da Universidade de Utah, em Salt Lake City. Ele não participou do estudo.

    “Mesmo se você pegasse a mesma amostra de sêmen para analisar nas décadas de 1960 e 1970, em comparação a hoje, você teria dois resultados diferentes”, disse ele.

    Pastuczak diz que em estudos mais atuais de análise de sêmen, que dependem de amostras analisadas por um método diferente, “você não vê essas tendências”. De fato, alguns estudos nas regiões do norte da Europa mostram que a contagem de espermatozoides aumenta com o tempo, não diminui, disse ele.

    Estudo atualizado acrescenta dados de mais países

    A nova análise é a atualização de um estudo publicado em 2017 e, pela primeira vez, inclui novos dados da América Central e do Sul, Ásia e África. Foi publicado na revista Human Reproduction Update.

    Uma equipe internacional de pesquisadores analisou quase 3.000 estudos que registraram a contagem de espermatozoides masculinos e foram publicados entre 2014 e 2020, anos que não haviam sido incluídos na análise anterior.

    Os pesquisadores excluíram os estudos apenas com homens que estavam sendo avaliados quanto à infertilidade, os que selecionavam apenas homens com contagem de esperma normal e aqueles cujos participantes do estudo foram selecionados com base em anormalidades ou doenças genitais. Eles incluíram apenas estudos publicados em inglês, com 10 ou mais homens e aqueles com participantes cujo esperma foi coletado da maneira típica e contado usando um dispositivo chamado hemocitômetro.

    No final, apenas 38 estudos preencheram esses critérios. Eles foram acrescentados aos estudos inclusos na análise anterior e seus dados foram extraídos para alimentar os modelos.

    No geral, os pesquisadores determinaram que a contagem de espermatozoides caiu pouco mais de 1% ao ano entre 1973 e 2018. O estudo concluiu que, globalmente, a contagem média de espermatozoides caiu 52% até 2018.

    Quando os pesquisadores do estudo restringiram sua análise a determinados anos, descobriram que o declínio na contagem de esperma parecia estar acelerando, de uma média de 1,16% ao ano após 1973 para 2,64% ao ano após 2020.

    “É realmente notável que o declínio esteja aumentando”, disse o autor do estudo, Dr. Hagai Levine, epidemiologista e pesquisador de saúde pública da Braun School of Public Health and Community Medicine.

    Em nível populacional, a contagem média de espermatozoides caiu de 104 milhões para 49 milhões por mililitro de 1973 a 2019. Considera-se que a contagem normal de espermatozoides é superior a 40 milhões por mililitro.

    Causas do declínio são desconhecidas

    Os autores do estudo dizem que não tinham dados suficientes de diferentes regiões para poder dizer se alguns países tinham contagens médias de esperma mais baixas do que outros ou se as contagens de esperma estavam diminuindo mais rapidamente em certas áreas. Dados de 53 países foram incluídos na análise.

    Os autores também não analisaram o que poderia estar causando o declínio. “Deveria ser estudado”, disse Levine.

    Em outra pesquisa, diz Levine, ele e outros identificaram alguns fatores associados a contagens mais baixas de esperma.

    Danos à saúde reprodutiva podem começar no útero.

    “Sabemos que o estresse da mãe, o tabagismo materno e especialmente a exposição a produtos químicos sintéticos presentes no plástico, como os ftalatos, prejudicam o desenvolvimento do sistema reprodutor masculino”, disse Levine.

    O estilo de vida também pode desempenhar um papel importante. Obesidade, falta de atividade física e dietas ricas em alimentos ultraprocessados ​​podem ser os culpados, disse ele.

    “Os mesmos fatores que prejudicam a saúde em geral costumam prejudicar também a qualidade do sêmen”, disse.

    Um especialista disse que, em última análise, tentar fazer esse tipo de estudo está repleto de problemas que complicam as descobertas.

    “O artigo é muito científico ou estatisticamente robusto e faz um bom trabalho ao resumir os dados disponíveis em nosso campo, mas é importante reconhecer que esses dados ainda são muito limitados pela forma como foram coletados e como isso foi informado”, disse o Dr. Scott Lundy, urologista da Cleveland Clinic, que não participou da pesquisa.

    Padrões e métodos de contagem de esperma mudaram muito ao longo do tempo, diz Lundy, tornando difícil comparar contagens modernas com dados históricos.

    Ainda assim, disse ele, os dados históricos são tudo o que está disponível para o campo.

    “Embora não seja motivo de pânico, porque as contagens em geral ainda são normais, na média, existe o risco de que elas se tornem anormais no futuro, e temos que reconhecer isso e estudá-lo mais a fundo”, disse Lundy.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original