Números de casos graves e óbitos por Covid-19 caem em quase todos estados

Segundo boletim da Fiocruz, apenas uma das 27 unidades federativas do Brasil tem crescimento do número de casos e óbitos por SRAG, relacionada à Covid-19 grave

Estrutura de hospitais com leitos de UTI e enfermaria para o tratamento da Covid-19
Estrutura de hospitais com leitos de UTI e enfermaria para o tratamento da Covid-19 Foto: CNN Brasil

Everton Souza, da CNN no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A última edição do Boletim InfoGripe da Fiocruz divulgada nesta quarta-feira (28), informa que apenas uma das 27 unidades federativas do Brasil apresenta sinal forte de crescimento do número de casos e óbitos por Síndrome Respiratória Grave (SRAG) – relacionada a casos graves de Covid-19- o Acre. Os outros estados e Distrito Federal apresentam sinal de queda. 

A análise é referente à Semana Epidemiológica (SE) 29, analisada entre os dias 18 e 24 de julho. Os estados do Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e Santa Catarina, além do Distrito Federal, registram indícios de estabilidade. 

Segundo pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, apesar desse cenário, os valores semanais continuam elevados, como apresentado pelo indicador de transmissão comunitária. Todos os estados contam com macrorregiões em nível de transmissão comunitária alta ou superior, sendo que nove estados e o Distrito Federal apresentam macrorregiões em nível extremamente elevado. 

Em relação à Síndrome Respiratória Grave, em média no país, houve tendência de queda nas últimas seis  semanas. Apesar disso a Fiocruz destaca que o nível de transmissão comunitária está alto ou mais elevado. 

“É fundamental manter cautela em relação às medidas de flexibilização das recomendações de distanciamento para redução da transmissão da Covid-19 enquanto a tendência de queda não tiver sido mantida por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja valores significativamente baixos”, finaliza Gomes.

Mais Recentes da CNN