Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que são focos de dengue e como eliminá-los?

    Recipientes com acúmulo de água são os principais criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue

    Pneu velho com acúmulo de água é um dos principais focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue
    Pneu velho com acúmulo de água é um dos principais focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue ThamKC/GettyImages

    Gabriela Maraccinida CNN

    O Brasil já ultrapassou a marca de 700 mortes por dengue, segundo dados do Ministério da Saúde. Na última quinta-feira (21), o país chegou aos 2 milhões de casos confirmados pela doença. Diante desse cenário, é fundamental conhecer os principais focos de dengue e saber como eliminá-los.

    Os focos de dengue são os locais favoráveis para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue, Chikungunya e Zika. Ambientes com a presença desses focos aumentam as chances de as pessoas da região contraírem a doença, já que podem ser criadouros da larva do mosquito, facilitando sua proliferação.

    Muitas vezes, esses ambientes podem ser a nossa própria casa ou a de vizinhos. Por isso, é fundamental identificá-los e saber como eliminá-los. Os principais focos de dengue são aqueles em que é possível ter acúmulo de água, como:

    • Caixas d’água;
    • Tampinhas de refrigerante e garrafas;
    • Garrafas plásticas destampadas;
    • Ralos e pias;
    • Bebedouros de animais de estimação;
    • Pneus velhos;
    • Calhas;
    • Vasos de plantas;
    • Sacos de lixos abertos;
    • Piscinas descobertas e sem o tratamento adequado.

    Como eliminar os focos de dengue?

    A principal forma de eliminar os focos e criadouros do mosquito da dengue é, justamente, evitando o acúmulo de água nesses recipientes ou deixando-os devidamente fechados e limpos.

    O Ministério da Saúde faz as seguintes recomendações para eliminar os focos de dengue:

    • Manter caixas d’água, ralos e pias tampados;
    • Higienizar adequadamente e diariamente os bebedouros de animais de estimação;
    • Descartar pneus velhos junto ao serviço de limpeza urbana da sua cidade;
    • Caso precise guardar os pneus, mantê-los em locais cobertos, evitando o acúmulo de água;
    • Retirar a água acumulada da bandeja externa da geladeira e bebedouros, lavando-os com água e sabão;
    • Limpar calhas e laje da casa;
    • Colocar areia nos cacos de vidro de muros que possam acumular água;
    • Colocar areia nos vasos de plantas;
    • Amarrar bem os sacos de lixo;
    • Evitar o descarte de resíduos sólidos em terrenos abandonados ou na rua.

    O Ministério também recomenda fazer uma inspeção em casa uma vez por semana, pelo menos, para encontrar possíveis focos de dengue. Caso sejam encontradas larvas ou ovos do mosquito, o descarte deve ser feito na terra e os recipientes devem ser higienizados com água e sabão em seguida.

    Cuidados individuais também são importantes

    Além da eliminação dos focos e criadouros do Aedes, é fundamental seguir alguns cuidados individuais para se proteger da picada do mosquito transmissor da dengue. É o caso do uso de repelentes nas áreas expostas do corpo — os produtos à base de DEET (N N-dietilmetatoluamida), IR3535 ou de icaridina são os mais recomendados.

    Repelentes de insetos contendo uma das três substâncias acima são seguros para o uso durante a gravidez, quando aplicados de acordo com as instruções do fabricante, conforme orienta o Ministério da Saúde.

    Em crianças menores de 2 anos de idade, não é recomendado o uso de repelente sem orientação médica. Para crianças entre 2 e 12 anos, usar concentrações até 10% de DEET, no máximo três vezes ao dia.

    Além disso, é possível utilizar mosquiteiros sobre a cama e instalar telas em portas e janelas. Quando disponível, o uso do ar-condicionado, principalmente nas estações mais quentes do ano, também é recomendado. Por fim, também é importante proteger as áreas do corpo que o mosquito possa picar, usando calças e camisas de mangas compridas.

    A vacinação contra a dengue também é uma estratégia fundamental para a prevenção. O imunizante já está disponível pelo SUS (Sistema Único de Saúde), mas, neste primeiro momento, as doses são limitadas ao grupo de pessoas na faixa etária entre 10 e 14 anos.

    Ao observar sintomas suspeitos de dengue — como dor de cabeça, dor atrás dos olhos, fadiga, febre alta, náuseas e manchas na pele — consulte um médico e evite a automedicação, pois o uso de certos remédios pode agravar o quadro de saúde.