O que significaria uma pílula antiviral para a luta contra a Covid-19?

Em um comunicado à imprensa, a MSD disse que 7,3% dos 385 pacientes que receberam o antiviral foram hospitalizados ou morreram de Covid-19, em comparação com 14,1% dos 377 pacientes que receberam um placebo.

Farmacêutica apresentou testes positivos de antiviral contra Covid-19
Farmacêutica apresentou testes positivos de antiviral contra Covid-19 Reprodução

Virginia Langmaidda CNN

Ouvir notícia

A farmacêutica MSD (como é chamada no Brasil a norte-americana Merck) anunciou na sexta-feira (1º) o resultado inicial que indica que seu medicamento antiviral experimental molnupiravir pode reduzir pela metade o risco de morte ou hospitalização por Covid-19.

Em um comunicado à imprensa, a empresa disse que 7,3% dos 385 pacientes que receberam o antiviral foram hospitalizados ou morreram de Covid-19, em comparação com 14,1% dos 377 pacientes que receberam um placebo.

Os dados completos do ensaio com molnupiravir ainda não foram divulgados ou revisados ​​por pares. A empresa, todavia, diz que buscará autorização da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos e, se for concedida, a droga pode ser o primeiro tratamento antiviral disponível por via oral para combater Covid-19.

“Este é o resultado mais impactante que eu me lembro de ter visto em uma droga disponível por via oral no tratamento de um patógeno respiratório”, afirmou Scott Gottlieb, ex-comissário da US Food and Drug Administration, a Anderson Cooper da CNN na sexta-feira.

“Acho que tomar uma pílula oral que pode inibir a replicação viral – que pode inibir esse vírus – será uma verdadeira virada de jogo”, completou o profissional de saúde.

Os tratamentos antivirais são um tipo de antimicrobiano – tratamentos que matam ou inibem o desenvolvimento de microrganismos como bactérias (combatidos por antibióticos), fungos (combatidos por antifúngicos) ou, neste caso, um vírus.

Alguns dos antivirais mais conhecidos são aqueles desenvolvidos para tratar herpes, HIV e gripe.

“A maioria das pessoas já ouviu falar do Tamiflu e também do aciclovir”, disse o Dr. Myron Cohen, professor de medicina, microbiologia, imunologia e epidemiologia da Universidade da Carolina do Norte. O aciclovir é um tipo de antiviral usado para tratar a varicela, herpes e herpes zoster. “Não desenvolvemos muitos outros antivirais desde então”, disse ele.

O que torna o molnupiravir diferente

Outro antiviral, o remdesivir, é atualmente o único medicamento aprovado pelo FDA para o tratamento de Covid-19. O remdesivir, fabricado pela Gilead Sciences e vendido sob o nome de Veklury, é administrado por infusão intravenosa, portanto, não é tão simples quanto engolir um comprimido.

E o remdesivir não funciona para todos os pacientes com Covid-19. Os estudos mostraram resultados mistos; não parece reduzir o risco de morte, mas parece ajudar as pessoas a se sentirem melhor mais rapidamente, quando administrado no início de uma doença.

As diretrizes de tratamento da Covid-19 do National Institutes of Health recomendam o remdesivir para pacientes hospitalizados com Covid-19 que precisam de oxigênio suplementar, mas a Organização Mundial da Saúde recomenda não usá-lo fora dos ensaios clínicos.

O molnupiravir seria mais simples para os pacientes – sem necessidade de intravenosa – e funciona de forma diferente, alterando o vírus SARS-CoV-2 para inibir a replicação.

“Na verdade, ele é incorporado ao material genético do vírus e introduz erros”, disse a Dra. Daria Hazuda, diretora científica da MSD,em um briefing com o Science Media Center em o Reino Unido na sexta-feira.

“Portanto, após uma série de incorporações, os erros tornam o vírus menos capaz de se replicar.”

Mark Denison, virologista do Instituto Vanderbilt de Infecção, Imunologia e Inflamação, disse que a maneira como o molnupiravir funciona, chamada mutagênese, é o que o separa do remdesivir.

“Os dois mecanismos básicos são o término da cadeia, que eu chamo de sinal de parada retardada, ou mutagênese, que é como abrir buracos na estrada enquanto o carro está passando. Isso está apenas danificando o genoma”, disse ele à CNN.

O que uma pílula antiviral pode significar para Covid-19

Cohen, que já trabalhou com o molnupiravir, disse que, ao analisar os resultados de um medicamento antiviral como o molnupiravir, deseja ver três coisas.

“Pare a progressão da doença, então você toma e esquece, certo?” ele disse. “A segunda coisa que gostaríamos que a pílula fizesse, se você está tomando para uma doença sintomática, é interromper a Covid longa, certo? Não é apenas ‘Não me deixe progredir e morrer’ é ‘não me deixe ter tosse persistente, dor de cabeça persistente’ “, explica.

Cohen diz ainda que seu terceiro objetivo seria “o tratamento servir como prevenção”, para que alguém com Covid-19 tenha menos probabilidade de transmiti-lo a outras pessoas.

“Gostaríamos que ele acabasse com a replicação do SARS-CoV-2 no nariz tão rápido que seu nariz não fosse mais um perigo para mim”, disse ele.

A ex-comissária de saúde da cidade de Baltimore e analista médica da CNN, Dra. Leana Wen, disse à CNN na sexta-feira que ter um medicamento antiviral que poderia impedir que uma infecção por Covid-19 se tornasse grave é “crucial”.

“Já temos anticorpos monoclonais que fazem isso e realmente são bastante eficazes. O problema é que eles requerem uma infusão ou injeções. Isso é realmente oneroso para o indivíduo, é oneroso para o sistema de saúde”, disse ela, referindo-se aos tratamentos da Covid-19 feito por Regeneron, Eli Lilly e GlaxoSmithKline e Vir.

“Seria uma virada total se alguém, ao ser diagnosticado com Covid leve, no início do tratamento pudesse tomar uma pílula em casa. Isso alivia o fardo do sistema de saúde. Isso também ajuda muito o indivíduo”.

Ainda assim, um antiviral não pode substituir uma vacina.

O coordenador de resposta da Covid-19 da Casa Branca, Jeff Zients, disse durante um briefing na sexta-feira que a melhor maneira de pensar nesse tipo de medicamento é como uma ferramenta adicional, a ser usada junto com as vacinas.

“Esta é uma ferramenta adicional em potencial em nossa caixa de ferramentas para proteger as pessoas dos piores resultados da Covid”, disse Zients. “Acho que é muito importante lembrar que a vacinação, como falamos hoje, continua sendo nossa melhor ferramenta contra a Covid-19. Ela pode evitar que você pegue a doença antes de qualquer coisa. E queremos prevenir infecções, não apenas esperar para tratá-los assim que acontecerem”.

O que vem a seguir para o molnupiravir

Ainda há muito que aprender sobre a droga e para quem ela pode funcionar. O teste detalhado na sexta-feira se concentrou em pacientes adultos considerados de alto risco para Covid-19 grave, mais comumente por causa da obesidade, idade avançada, diabetes e doenças cardíacas. Nenhum havia sido vacinado contra Covid-19.

O molnupiravir também está sendo estudado como profilaxia pós-exposição – os pesquisadores analisam se ele pode prevenir a disseminação do vírus dentro das famílias, depois que alguém foi exposto, mas ainda não teve resultado positivo.

A Merck disse na sexta-feira que planeja submeter um pedido ao FDA para autorização de uso de emergência o mais rápido possível, e a outros órgãos reguladores ao redor do mundo.

Antecipando-se aos resultados do ensaio, a empresa afirma que vem produzindo molnupiravir em risco e espera ter 10 milhões de ciclos de tratamento disponíveis até o final do ano.

A Merck já vendeu 1,7 milhão de ciclos para o governo dos EUA, caso obtenha autorização ou aprovação do FDA. A empresa disse que oferecerá preços diferenciados para fornecer acesso em todo o mundo e trabalhará com fabricantes de medicamentos genéricos para acelerar a disponibilidade para países de baixa e média renda.

Mais Recentes da CNN