OMS faz reunião para avaliar declaração de emergência por varíola dos macacos

Número de casos confirmados passam de 1.600 em todo o mundo, incluindo dados de países endêmicos para o vírus na África e de 32 recém-afetados

Logo da OMS em Genebra
Logo da OMS em Genebra Denis Balibouse/Reuters

Lucas Rochada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O número de casos de varíola dos macacos confirmados passam de 1.600 em todo o mundo, incluindo dados dos sete países endêmicos para a doença e dos 32 recém-afetados pelo surto da doença. As informações foram divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira (14).

Segundo a OMS, quase 1.500 casos suspeitos estão em investigação. Até o momento, 72 mortes foram registradas em países da África. De acordo com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, nenhum óbito foi confirmado nos países considerados não endêmicos até o momento.

“Até agora este ano, 72 mortes foram relatadas em países previamente afetados. Nenhuma morte foi relatada até agora nos países recém-afetados, embora a OMS esteja procurando verificar notícias do Brasil de uma morte relacionada à varíola dos macacos lá”, disse Adhanom.

Diante deste cenário epidemiológico, a OMS vai convocar o Comitê de Emergência sob o Regulamento Sanitário Internacional na próxima semana, para avaliar se esse surto representa uma emergência de saúde pública de interesse internacional.

“A OMS também está trabalhando com parceiros e especialistas de todo o mundo para mudar o nome do vírus “monkeypox”, seus clados e a doença que causa. Faremos anúncios sobre os novos nomes o mais rápido possível”, disse o diretor-geral da OMS.

Prevenção e vacina

A OMS atua junto aos países para conter a transmissão e interromper o surto. As medidas recomendadas incluem vigilância, rastreamento de contatos e isolamento de pacientes infectados.

“Também é essencial aumentar a conscientização sobre os riscos e ações para reduzir a transmissão da varíola dos macacos para os grupos de maior risco, incluindo homens que fazem sexo com homens e seus contatos próximos”, disse Adhanom.

A OMS recomendou a vacinação contra a varíola para grupos prioritários, incluindo profissionais de saúde em risco, equipes de laboratório que atuam com ortopoxvírus, especialistas em análises clínicas que realizam diagnóstico para a doença e outros que possam estar em risco de acordo com autoridades nacionais de saúde pública.

“Qualquer decisão sobre o uso de vacinas deve ser tomada em conjunto por indivíduos que possam estar em risco e seu profissional de saúde, com base em uma avaliação de riscos e benefícios, caso a caso”, disse o diretor da OMS.

Adhanom voltou a defender a distribuição equitativa dos imunizantes entre os países. “Também é essencial que as vacinas estejam disponíveis de forma equitativa sempre que necessário. Para esse fim, a OMS está trabalhando em estreita colaboração com nossos Estados Membros e parceiros para desenvolver um mecanismo de acesso justo a vacinas e tratamentos”, disse.

Mais Recentes da CNN