OMS: países de baixa renda receberam 0,6% de todas as vacinas contra Covid-19

Segundo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, a maioria desses países estão na África

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante evento em Genebra
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante evento em Genebra Foto: Reuters

Da CNN

Ouvir notícia

O Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou nesta segunda-feira (29) que apenas 0,6% de todas as vacinas contra a Covid-19 foram direcionadas aos países de baixa renda, a maioria deles localizados na África.

Ainda segundo a OMS, mais de 80% das vacinas disponíveis mundialmente foram enviadas aos países que pertencem ao G20.

“Entendemos e apoiamos a responsabilidade de cada governo de proteger seu próprio povo. Mas equidade vacinal não é caridade. Nenhum país pode vacinar sozinho para sair da pandemia”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Tedros pediu para que todos os Estados-Membros se esforcem na meta de vacinar 40% da população até o final deste ano.

 

 

“Quanto mais tempo a desigualdade vacinal persistir, mais oportunidades este vírus terá de se espalhar e evoluir de maneiras que não podemos prever nem prevenir. Apelamos a todos os Estados-Membros para que apoiem as metas de vacinar 40% da população de todos os países até ao final deste ano e 70% até meados do próximo ano.”

A variante Ômicron, encontrada pela primeira vez na África do Sul, já está presente em 14 países, segundo um levantamento realizado pela CNN Brasil.

“A África do Sul deve ser agradecida por detectar, sequenciar e relatar esta variante, não penalizada”, disse Tedros.

De acordo com os dados divulgados pela OMS nesta segunda, 103 países ainda não atingiram a meta 40% da população vacinada e isso não deve acontecer até o final do ano devido a falta de acesso às vacinas.

“103 países ainda não atingiram a meta de 40% e mais da metade deles correm o risco de perdê-la até o final do ano, simplesmente porque não têm acesso às vacinas de que precisam”, disse Tedros.

Mais Recentes da CNN