Órgão de saúde diz que há alto risco de variante Ômicron se espalhar pela Europa

OMS anunciou na sexta-feira que designou a Ômicron como uma variante de preocupação

Bélgica já tem caso confirmado de infecção pela variante Ômicron
Bélgica já tem caso confirmado de infecção pela variante Ômicron Getty Images

Jonny Hallamda CNN*

Ouvir notícia

Há um risco “alto a muito alto” de que a nova variante da Covid-19, batizada de Ômicron pela Organização Mundial da Saúde na sexta-feira, se espalhe na Europa, disse o Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças na sexta-feira.

“Há uma incerteza considerável relacionada à transmissibilidade, eficácia da vacina, risco de reinfecções e outras propriedades da variante Ômicron. No entanto, dado seu potencial de escape imunológico e vantagem de transmissibilidade potencialmente aumentada em comparação com Delta, avaliamos a probabilidade de introdução adicional e disseminação pela comunidade na UE / EEE como ALTO. Numa situação em que a variante Delta está a ressurgir na UE / EEE, o impacto da introdução e possível disseminação da Ômicron pode ser MUITO ALTO. Em conclusão, o nível geral de risco para a UE / EEA associado a variante da SARS-CoV-2 Ômicron é avaliado como ALTO a MUITO ALTO “, disse o ECDC.

A OMS anunciou na sexta-feira que designou a Ômicron, que foi identificado como cepa do coronavírus B.1.1.529, como uma variante de preocupação.

Além da África do Sul, a nova variante identificada foi detectada em Botsuana, Hong Kong e Bélgica.

Parece estar se espalhando rapidamente em partes da África do Sul e os cientistas estão preocupados que seu número excepcionalmente alto de mutações possa torná-lo mais transmissível e resultar em evasão imunológica.

O Grupo Técnico Consultivo da OMS sobre a evolução do vírus SARS-CoV-2 (TAG-VE), um grupo independente de especialistas, se reuniu na sexta-feira para discutir a variante, disse um comunicado da OMS.

Os conselheiros recomendaram que a OMS designasse a variante como “preocupante”, referindo-se ao grande número de mutações da variante, à possibilidade de aumento do risco de reinfecção e outras evidências.

* (Texto traduzido. Clique aqui para ler o original).

Mais Recentes da CNN