Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Painel da Vacina: Brasil fica em 67º no ranking global e é 4º no total de doses

    País aplicou 82,5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19; são 38,97 doses aplicadas a cada 100 habitantes

    Vacina contra Covid-19 da Pfizer no Rio de Janeiro
    Vacina contra Covid-19 da Pfizer no Rio de Janeiro Foto: Ricardo Moraes/Reuters (4.mai.2021)

    Julyanne Jucá e Vital Neto, da CNN, em São Paulo

    Após descer uma posição, o Brasil voltou a ser o 67º no ranking global de aplicação de doses da vacina contra Covid-19 nesta quinta-feira (17), na relação a cada 100 habitantes. O país, que iniciou a vacinação há cinco meses, já esteve na 56ª posição desse ranking e, na última semana, estava em 68º.

    Entre os países que compõem o G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, o país continua em 10º. Segundo os dados atualizados pela Agência CNN, o Brasil aparece com 38,97 doses aplicadas a cada 100 habitantes. 

    O Reino Unido segue na liderança da lista, com 106,74 na relação a cada 100 pessoas. Os Estados Unidos estão em segundo, com 93,56. O Canadá fica na terceira posição (80,49), seguido pela Alemanha (75,97), Itália (72,11) e França (67,48). A China (65,67) aparece em 7º lugar, seguida pela Arábia Saudita (46,61). A Turquia aparece na sequência, com 44,75 doses aplicadas a cada 100 habitantes.

    Painel da Vacina – 17 de junho
    Painel da Vacina mostra posição do Brasil no ranking de vacinação contra a Covid-19
    Foto: CNN

     
    Considerando os números absolutos da vacinação, a China continua com a liderança do ranking, com 945,1 milhões de doses já aplicadas. 

    Os Estados Unidos ficam em segundo lugar, com 312,9 milhões de doses aplicadas. Na sequência, aparece a Índia, com 258,3 milhões de doses aplicadas. O Brasil permanece em quarto lugar, com 82,5 milhões de doses aplicadas – mesma posição se considerarmos os países do G20. 

    O Reino Unido está na 5ª posição, com 72,4 milhões de doses aplicadas em números absolutos. Os dados foram compilados pela Agência CNN com informações das secretarias estaduais de Saúde e do site Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford, no Reino Unido.