Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pesquisadores apontam grandes chances de novas pandemias com mudanças climáticas

    Estudo apontou relação do clima com o comportamento de morcegos, provável origem do novo coronavírus

    Gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta
    Gelo marinho no Ártico está diminuindo drasticamente à medida que a região esquenta Foto: Brice Laine/CNN

    Bibiana Maiacolaboração para a CNN

    Ouvir notícia

    Começam a surgir as primeiras evidências de que as mudanças climáticas podem ter relação com a pandemia da Covid-19. E outras pandemias podem estar por vir com o agravamento da crise climática, como explicam pesquisadores.

    Por isso, um dos debates durante a COP26 foi sobre um sistema global de saúde para enfrentar o problema. Um estudo publicado em maio deste ano, na revista “Science of The Total Environment”, traçou um paralelo entre o comportamento de morcegos e as mudanças climáticas.

    Os pesquisadores apontam que um dos impactos da crise ambiental foi a mudança na distribuição global dos morcegos, a provável origem zoonótica de vários coronavírus (CoVs) que infectam humanos, incluindo o SARS-CoV-1 e o SARS-CoV-2, que causaram epidemias em grande escala.

    De acordo com a pesquisa, o número de coronavírus presentes em uma área está relacionado com a riqueza local de espécies de morcegos, intensificada pelas condições climáticas e mudanças no habitat dos animais. Eles mostraram que a província de Yunnan, no sul da China, e as regiões vizinhas, em Mianmar e Laos, formam um hotspot global de aumento da riqueza de morcegos.

    Também houve crescimento na África Central, na América do Sul e na América Central. A região asiática coincide com a provável origem espacial dos ancestrais do SARS-CoV-1 e SARS-CoV-2 transmitidos por morcegos.

    Os pesquisadores contabilizaram um aumento estimado da ordem de 100 CoVs transmitidos por morcegos em toda a região.”Só existe um estudo. Então é prematuro afirmar [que as mudanças climáticas têm relação com a pandemia da Covid-19], mas as mudanças climáticas geram um efeito indireto, que é a mudança no ecossistema que esses animais vivem.

    Muitas vezes eles precisam migrar para continuar sobrevivendo. Isso aumenta a interação de alguns animais com o homem e pode trazer novas pandemias”, explica Renata Gracie, pesquisadora do ICICT/Fiocruz.

    Degradação ambiental e os problemas de saúde

    Henderson Wanderley, professor do Instituto de Florestas da UFRRJ, explica que o aumento da temperatura e da umidade, provocado pelo acúmulo de CO2 na atmosfera, teria feito com que as regiões de Wuhan, que tinham arbustos, desenvolvessem o ecossistema para savanas e florestas. “Quando você olha esse aspecto, identifica a relação do surgimento dessa pandemia e de outras (com as mudanças climáticas)”.

    O pesquisador diz que, com o aumento da temperatura global, a região do Ártico vai derreter e pode liberar bactérias e vírus adormecidos nas matérias orgânicas que se encontram nas camadas profundas de gelo – e não têm contato atualmente com os seres humanos.

    Ele também explica que, com as mudanças climáticas, a variabilidade do clima aumenta, provocando eventos extremos e doenças ligadas à falta ou excesso de água. Wanderley lembra da seca, em 2014 e 2015, quando houve um surto de dengue em São Paulo.”Como não tinha água, a população passou a armazenar e não teve o devido cuidado. Isso favoreceu a reprodução do mosquito.”

    Regiões que passarem a ficar alagadas com as chuvas podem causar a transmissão de doenças como a leptospirose, por exemplo.Além das mudanças climáticas, outro fator é a degradação direta do ambiente, principalmente em áreas que circundam os centros urbanos.

    No caso do estudo sobre a Covid-19, o morcego migra também porque a área que ele habitava foi impactada.”Os morcegos ficaram em evidência por causa do SARS-CoV-2, mas estamos mudando os habitat não só deles, mas de muitos insetos que carregam vírus e bactérias. O potencial [de desastre] é muito grande”, avalia Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo e membro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

    Ele lembra que doenças como ebola e chikungunya vieram da destruição de florestas tropicais.”Temos milhares de vírus na Amazônia que são desconhecidos pela ciência e podem entrar em contato com o homem se continuarmos com o desmatamento”, diz.

    Convivência dentre humanos e outros organismos

    Alguns pesquisadores alertam que o problema passa também por uma alienação dos seres humanos sobre a dinâmica que causamos no planeta.”A gente fica querendo buscar o retorno à normalidade, mas esquece que essa normalidade trouxe a pandemia e vai provocar as mudanças climáticas”, avalia Carlos Walter Porto-Gonçalves, coordenador do Laboratório de Estudos de Movimentos Sociais e Territorialidades da UFF.

    Jean Segata, professor da UFRGS, chama atenção para o descolamento do ser humano perante sua relação com outros seres da natureza.O pesquisador estuda antropologia da saúde e lembra que o ambiente sempre foi visto como algo externo e que a história da humanidade está descolada da relação com animais, plantas e microorganismos. “A gente tem esse desejo de assepsia e controle, mas nossos mundos sempre foram envolvidos”, analisa.

    Segata explica que antes a discussão em torno de pandemias tratava sobre grupos de risco e comportamentos, como no caso do HIV. Com a degradação ambiental, a discussão atual é sobre a ‘sindemia’, que combina os termos pandemia e sinergia, conceito criado por Merril Singer.

    É uma visão macro que considera fatores biológicos, sociais e econômicos ao pensar em ambientes de risco, como os que teriam provocado o impacto da Covid-19.Em uma situação de sinemia, existe a interação de duas ou mais doenças que pode causar danos maiores.

    As condições sociais e ambientais podem provocar a aproximação das comorbidades ou tornar a população vulnerável. Isso acontece, por exemplo, com a interação da Covid-19 com outras condições, como diabetes, câncer e problemas cardíacos. Além disso, os fatores socioeconômicos aumentam a vulnerabilidade de certos grupos da população.

    Preservação

    O estudo sobre a Covid-19 e as mudanças climáticas sugerem medidas ambientais para evitar novas pandemias como a que estamos vivendo. Para os pesquisadores, é crucial proteger os habitats naturais, impor regulamentações fortes sobre a caça e o comércio de animais selvagens, estabelecer padrões adequados de bem-estar animal em fazendas, mercados e veículos de transporte.

    Eles também alertam para a necessidade de se desencorajar costumes medicinais e alimentícios que envolvam o consumo de espécies com grande risco de transmissão, como os morcegos.

    Para o professor Henderson Wanderley, precisamos reforçar ações contra as mudanças climáticas e a degradação do ambiente em conjunto. Zerar o desmatamento, por exemplo, impede a migração das espécies que podem ser vetores de doenças.

    “Mesmo que proteja as florestas, não adianta eu não fazer nada em relação ao clima e deixar ele mudar”. Para isso, é preciso ações mitigadoras para frear as emissões de gases do efeito estufa e estabilizar a temperatura. É fundamental abandonar a matriz energética baseada em combustíveis fósseis e convertê-la para fontes de energias de baixo carbono, como eólica, solar e biomassa.

    Governança global para a saúde

    Um problema global como as mudanças climáticas demanda soluções globais. Os especialistas sinalizam que a pandemia mostrou a necessidade de um sistema de saúde global para lidar rapidamente com pandemias.

    “Há uma certa defasagem e descolamento entre os fenômenos em curso e a própria pandemia e o sistema de governança disponível no sistema mundial para responder ao problema”, avalia Carlos Walter Porto-Gonçalves.

    O professor entende que a pandemia chamou atenção porque estamos num ambiente comum, em uma dinâmica marcada numa lógica individualista, baseado em grandes empresas que têm um poder imenso e os estados são cada vez menos potentes.

    Para ele, são problemas de fundo para a governança em saúde global. Uma pandemia como a Covid-19 não pode ser resolvida com decisões individuais dos países.Renata Gracie, da Fiocruz, diz que a pandemia da Covid-19 trouxe muitas lições neste contexto.

    Diferente do HIV, as doenças respiratórias têm um tipo de transmissão muito ágil e geram impacto imenso, como o isolamento social. A contenção da disseminação é mais difícil, como vimos na época da H1N1. “Não é a primeira vez que vivemos uma pandemia. Infelizmente, não aprendemos com o que passou. Do jeito que foi grave, espero que agora aprenda”.

    A pesquisadora citou a necessidade de existir um sistema de saúde global com alertas mais ágeis para poder direcionar pessoas e recursos. Outra questão são os dados. Gracie explicou que cada país tem um sistema diferente que dificulta a compatibilidade com outros países e uma harmonização global dos dados.

    Ela deu como exemplo a falta de testagem no Brasil para definir o número real de casos da Covid-19. No fim das contas, os países teriam que adotar os mesmos padrões para existir uma avaliação global mais consistente. “Países pobres não teriam recursos. Os países ricos precisam arcar mais”.

    Mais Recentes da CNN