Pfizer tem um plano de marketing, não sanitário, diz ex-diretor da Anvisa

Gonzalo Vecina diz que Pfizer não tem capacidade de oferecer mais doses ao mundo e que aprovações tem caráter de propaganda neste momento

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A vacina da Pfizer contra a Covid-19 foi a primeira aprovada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para uso emergencial. Apesar da notícia, Gonzalo Vecina, sanitarista e ex-diretor da Anvisa, disse nesta sexta-feira (1º), em entrevista à CNN, que a aprovação surtirá pouco efeito prático no Brasil, uma vez que quase toda a produção do laboratório já está comprometida por pedidos dos Estados Unidos e da União Europeia.

“O reconhecimento da OMS é importante, pois amplia a possibilidade de utilização da vacina, mas isso depende da produção. A Pfizer está no limite de sua capacidade de produção” disse Vecina à CNN.

Leia também

Nova variante é detectada em testes já usados no Brasil, diz laboratório

Polícia dos EUA prende farmacêutico suspeito de danificar doses de vacina

Esteve em praias ou aglomerações? Saiba como evitar ser vetor da Covid-19

“A Pfizer diz ter capacidade de produção de 1,3 milhão de doses nas suas cinco fábricas. Mas essa produção está basicamente toda comprometida pelos pedidos dos Estados Unidos e da União Europeia; então seus planos atuais são de marketing, não sanitários” disse Vecina.

O sanitarista afirmou que, por conta dos grandes pedidos de Estados Unidos e União Europeia, o Brasil dificilmente receberá no primeiro semestre de 2021 grande parte das 70 milhões de doses que está negociando com o laboratório.

“Eles não têm como oferecer mais doses em oito ou nove meses, mesmo para o Brasil, que deve receber no primeiro semestre não mais de 5 ou 6 milhões de doses. Nós continuamos dependendo das vacinas negociadas pelo Instituto Butantan e pela Fiocruz.”

Ilustração de potencial vacina da Pfizer contra Covid-19
Ilustração de potencial vacina da Pfizer contra Covid-19
Foto: Dado Ruvic/Reuters (9.nov.2020)

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN