Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Primeiro transplante total de olho e parcial de rosto do mundo acontece nos EUA

    Americano recebeu transplante em cirurgia que envolveu mais de 140 profissionais e durou cerca de 21 horas

    Aaron James, 46, com o cirurgião Eduardo Rodriguez, que realizou seu transplante de olho total e parcial de face
    Aaron James, 46, com o cirurgião Eduardo Rodriguez, que realizou seu transplante de olho total e parcial de face NYU Langone Health

    Jacqueline Howardda CNN

    Foi um momento que Meagan James nunca esperava testemunhar. Uma equipe cirúrgica da NYU Langone Health, em Nova York, realizou o primeiro transplante de olho inteiro bem sucedido do mundo em uma pessoa viva: seu marido, Aaron James.

    Depois que um acidente de trabalho levou à perda do olho esquerdo e de parte do rosto, Aaron recebeu uma nova janela para sua alma, bem como um transplante parcial de rosto.

    Quando Meagan olhou pela primeira vez no novo olho do marido, ela percebeu o inchaço pós-operatório e viu que o olho era castanho. Aaron naturalmente tem olhos azuis. Ela também viu o novo nariz, lábios e bochecha, que já tinha alguma barba crescendo. Ela viu um rosto cheio de gratidão e foi aí que a emoção se instalou.

    Ela estava feliz por seu marido, com quem está casada há 20 anos. “Foi uma sensação louca, ótima, estranha e feliz, um êxtase”, disse Meagan. “Fiquei muito feliz por ele ter sobrevivido e tudo estava bem no momento”.

    Naquele dia, no final de maio, uma equipe de mais de 140 cirurgiões da NYU Langone Health concluiu o procedimento de transplante de Aaron, que durou cerca de 21 horas. A cirurgia incluiu o transplante de todo o olho esquerdo e partes da face de um único doador. Foi uma novidade médica.

    O olho de Aaron agora mostra sinais “notáveis” de saúde, de acordo com sua equipe médica. Embora ele não consiga ver com o olho, ele continua esperançoso de que a visão possa surgir com o tempo – e que seu procedimento, o primeiro desse tipo, possa ajudar no avanço da medicina de transplante.

    “Essa é realmente minha maior esperança”, disse Aaron. “Se eu conseguir enxergar, ótimo. Mas se isso der início ao próximo caminho na área médica, então sou totalmente a favor”.

    Um acidente que mudou a vida

    Ver o novo olho e rosto de Aaron “não foi um choque tão grande” quanto vê-lo na noite do acidente, disse Meagan. Aaron, um veterano militar de 46 anos baseado em Arkansas, trabalhava como eletricista de alta tensão e, naquela noite de junho de 2021, ele estava trabalhando com seus colegas no Mississippi quando seu rosto acidentalmente tocou um fio energizado.

    O choque elétrico mortal de 7.200 volts causou ferimentos graves no rosto de Aaron: no olho esquerdo, em todo o nariz e lábios, na área da bochecha esquerda e no queixo, bem como no braço esquerdo.

    Aaron James e sua esposa Meagan se beijam pela primeira vez após a cirurgia de transplante de olho e parcial rosto / NYU Langone Health

    De volta ao Arkansas, Meagan e sua filha, Allie, que estava no ensino médio, voltavam do supermercado para casa quando o telefone de Meagan tocou. Ela não reconheceu o número, mas mesmo assim atendeu. Ela ouviu as palavras “Aaron”, “acidente” e “sério”.

    Meagan imediatamente fez uma mala quando chegou em casa e depois dirigiu cerca de quatro horas e meia até o Mississippi, onde Aaron estava sendo cuidado em um hospital local. Durante a viagem, o telefone dela tocou novamente. Desta vez, era um médico. O médico descreveu o estado de Aaron e explicou que ele havia sido eletrocutado.

    “Ele está ok? Ele vai ficar bem?”, Meagan perguntou. Ela se lembra da resposta do médico: “A única coisa que posso prometer é que ele não morrerá antes de você chegar aqui”.

    Meagan lembra que dizia a Aaron para “ter cuidado” todas as manhãs antes do trabalho. Ela ainda se lembra da manhã do acidente e se pergunta se disse a ele para “ter cuidado” naquele dia.

    “Oh, meu Deus, o rosto dele sumiu”

    Meagan permaneceu ao lado de Aaron enquanto ele era transportado para diferentes centros médicos para cuidados mais intensivos, para cirurgias reconstrutivas e para ter seu braço esquerdo amputado.

    Depois que ele foi levado para uma unidade de queimados em Dallas, Allie, que estava hospedada com a avó na época, pôde visitá-lo.

    Cirurgião Dr. Eduardo Rodriguez com Aaron James antes de seu transplante de olho inteiro e rosto parcial / NYU Langone Health

    “Quando o vi, o osso do queixo dele estava exposto”, disse Allie. “Eu pude ver a órbita do olho dele e tudo mais. Eu estava vendo o crânio dele e acho que essa é a parte que foi meio estranha para mim. Eu estava tipo ‘Oh, meu Deus, o rosto dele sumiu’”, disse ela. “A maior parte das minhas preocupações era como ele ficaria quando estivesse acordado e consciente”.

    Aaron disse que não se lembra do acidente. “Basicamente, me levantei, fui trabalhar e acordei seis semanas depois em Dallas, no Texas”, disse ele. “É uma sensação estranha quando você acorda de repente em um hospital”.

    A primeira vez que Aaron se viu após o acidente foi em sua cama de hospital em Dallas. Ele pediu a Meagan que tirasse uma foto, mas ela hesitou.

    “Ela disse: ‘Tem certeza?’ Eu disse: ‘Sim, vai ficar tudo bem’”, disse Aaron. “Ela tirou uma foto, girou o telefone e eu pensei, ‘Oh, meu Deus, isso é um mau negócio aqui’”, lembrou ele. “Quer dizer, eu me senti bem, então sabia que ficaria bem. Teríamos apenas um longo caminho pela frente”.

    A equipe médica de Aaron mencionou a opção de um transplante de rosto para Meagan. Quando ela tocou no assunto com Aaron, ele disse que era totalmente a favor.

    “Assim que se falou em transplante de rosto, pensei: ‘Cara, isso é importante’, porque eles simplesmente não fazem isso todos os dias”, disse ele.

    Em Nova York, o Dr. Eduardo Rodriguez, diretor do Programa de Transplante Facial da NYU Langone Health – que já havia realizado quatro transplantes faciais antes – e seus colegas foram apresentados ao caso de Aaron por especialistas no Texas. Depois de saber mais sobre o acidente de Aaron e os ferimentos subsequentes, Rodriguez disse que foi “incrível” que Aaron tenha sobrevivido.

    “Vê-lo andando depois de estar completamente desacreditado no hospital – falência de múltiplos órgãos, tubo respiratório, ele vai sobreviver, ele vai ter lesão neurológica – vê-lo sem nenhuma dessas sequelas, é muito impressionante”, disse Rodriguez.

    “É uma prova da medicina moderna”, disse ele. “É uma prova para este paciente e sua família. E também é uma prova de que, nesses casos, há algum envolvimento celestial onde não era a hora dele ir”.

    “Você tem que ter um paciente zero”

    As discussões sobre a possibilidade de um transplante continuaram mesmo depois que a equipe médica de Aaron no Texas removeu seu olho esquerdo devido a fortes dores. Rodriguez e seus colegas em Nova York pediram à equipe do Texas que preservasse o máximo possível do nervo óptico, na esperança de um potencial transplante ocular.

    Enquanto Rodriguez conversava com Aaron sobre a possibilidade de fazer não apenas um transplante facial parcial, mas um transplante de olho inteiro, ele alertou que o olho do doador poderia não restaurar a visão. Para que haja visão, será necessária alguma comunicação entre o olho transplantado e o cérebro.

    “Mas eu disse ‘mesmo que não funcione, eu terei um olho e terá pelo menos uma aparência normal, e então todos vocês poderão aprender algo com isso’”, disse Aaron. “Você tem que ter um paciente zero”.

    Aaron foi listado como potencial receptor em fevereiro de 2023. A oportunidade de realizar o transplante de olho inteiro e facial parcial surgiu poucos meses depois, em maio. Foi uma operação “arriscada” para Rodriguez e seus colegas. Nenhuma equipe médica no mundo havia realizado anteriormente um transplante de olho humano com sucesso em um paciente vivo.

    “É um território completamente desconhecido”, disse Rodriguez.

    Eduardo Rodriguez, diretor do Programa de Transplante Facial da NYU Langone Health, realiza a cirurgia de transplante facial e do olho / NYU Langone Health

    A operação envolveu duas salas de cirurgia. Aaron estava em uma sala, onde os cirurgiões removeram as partes de seu rosto que seriam substituídas por tecido doado. Rodriguez estava na outra sala, dissecando o rosto e o globo ocular do doador.

    “Essa parte da operação durou cerca de 12 horas”, disse Rodriguez. “Agora tenho que garantir que a sala de Aaron esteja pronta para receber o rosto”, disse. “Cortamos os vasos sanguíneos, desconectamos do doador e começa a corrida. Neste ponto, o rosto e os olhos não estão recebendo nenhum suprimento de sangue”.

    Rodriguez e seus colegas começaram então a conectar o rosto e o globo ocular do doador a Aaron. Para o transplante ocular, a equipe combinou o olho do doador com células-tronco adultas derivadas da medula óssea do doador, injetando as células-tronco adultas no nervo ótico durante o transplante. Essas células-tronco podem ajudar a melhorar a regeneração nervosa.

    “Conseguimos definir uma célula específica, uma CD34, que é uma célula-tronco adulta que tem alguns benefícios potenciais – não apenas na modulação imunológica, porque é um transplante – mas também na neuro regeneração”, disse Rodriguez. “Na conexão do nervo ótico do doador ao receptor, bem naquele local, injetamos aquelas células-tronco CD34”.

    Um passo fundamental na cirurgia de transplante de olho inteiro foi reconectar o nervo ótico de Aaron ao olho do doador, disse o Dr. José-Alain Sahel, porta-voz clínico da Academia Americana de Oftalmologia. Ele não esteve envolvido no procedimento, mas é presidente do Departamento de Oftalmologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh e participou de pesquisas experimentais relacionadas.

    “Foi muito inteligente que eles não tenham cortado o nervo ótico muito longe do globo ocular quando o olho foi removido do receptor”, disse Sahel, que tem acompanhado o trabalho da equipe Langone Health da NYU.

    Aaron James vê seu novo rosto pela primeira vez com o Dr. Eduardo Rodriguez, esposa Meagan e a filha Allie / NYU Langone Health

    “Acho que o que resta a ser feito – que é uma tarefa muito importante – será como fazer crescer novamente o nervo ótico, guiar suas fibras ou axônios para os alvos apropriados, bem como garantir que os nervos da córnea estejam bem preservados”, disse ele. “O que aprendemos com isso é que potencialmente a cirurgia pode funcionar, e então deveríamos promover mais pesquisas, mais investimentos em pesquisas sobre regeneração da córnea e do nervo ótico”.

    Quando a cirurgia foi concluída e Aaron olhou seu novo rosto no espelho pela primeira vez, ele ficou emocionado, disse Rodriguez. Aaron continua sendo monitorado de perto e deve continuar tomando medicamentos para reduzir o risco de seu corpo rejeitar o transplante. Sua equipe médica observa que o olho apresenta sinais de saúde, como fluxo sanguíneo direto para a retina, a camada de tecido na parte posterior do globo ocular associada ao processamento visual.

    Olhando para o futuro, Aaron, Meagan e sua filha, Allie, que recentemente se formou no ensino médio, estão se preparando para celebrar o Dia de Ação de Graças juntos em algumas semanas. Aaron agora pode cheirar e sentir o gosto – e está ansioso pela refeição. Ele também continua esperançoso de que, em um dia milagroso, poderá ver com o olho do doador.

    “Se ele verá ou não, essa é a questão que permanece sem resposta”, disse Rodriguez. “Nunca foi feito um transplante desse tipo, e os transplantes têm uma forma única de funcionar, e mesmo nos transplantes de rosto aconteceram coisas que não teríamos imaginado”, disse ele. “Então, estou esperançoso”.

    O procedimento marca um passo importante para o campo da medicina de transplante, disse o Dr. Oren Tepper, cirurgião plástico e reconstrutivo e diretor do Programa de Cirurgia Craniofacial do Sistema de Saúde Montefiore.

    “Esta cirurgia altamente técnica e complexa representa um avanço significativo no campo do transplante facial”, escreveu Tepper, que não esteve envolvido nos cuidados de Aaron.

    “Em última análise, se o transplante de um olho for bem sucedido na restauração de qualquer forma de função nervosa ou sinais visuais, isso seria um tremendo avanço na medicina para pacientes que sofreram perda do olho devido a trauma ou câncer”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original