Próxima pandemia pode ser mais letal que a Covid, diz criadora da vacina da Oxford

"Esta não será a última vez que um vírus ameaçará nossas vidas e nosso sustento", afirmou Sarah Gilbert, professora na universidade inglesa

Da Reuters

Ouvir notícia

Futuras pandemias podem ser ainda mais letais do que a Covid-19, por isso as lições aprendidas não devem ser desperdiçadas e o mundo deve garantir que está preparado para o próximo ataque viral, disse uma das criadoras da vacina Oxford/AstraZeneca.

O novo coronavírus matou 5,26 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, além de causar prejuízos de trilhões de dólares na produção econômica e nas vidas de bilhões de pessoas.

“A verdade é que o próximo poder ser pior. Pode ser mais contagioso, ou mais letal, ou ambos”, disse Sarah Gilbert na palestra Richard Dimbleby, relatou a BBC. “Esta não será a última vez que um vírus ameaçará nossas vidas e nosso sustento”.

Gilbert, professora da Universidade de Oxford, disse que o mundo deve se certificar de que está melhor preparado para o próximo vírus.

“Os avanços que fizemos e o conhecimento que adquirimos não devem ser perdidos”, disse ela.

Os esforços para acabar com a pandemia têm sido desiguais e fragmentados, marcados pelo acesso limitado a vacinas em países de baixa renda, enquanto os “saudáveis ​​e ricos” nos países ricos ganham impulso, dizem especialistas em saúde.

Um painel criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para revisar o combate à Covid-19 pediu financiamento permanente e maior capacidade de investigar pandemias por meio de um novo tratado. Uma proposta era para um novo financiamento de pelo menos US$ 10 bilhões (cerca de R$ 56 bilhões) por ano.

O novo coronavírus foi detectado pela primeira vez na China no final de 2019 e as vacinas foram desenvolvidas em tempo recorde.

Gilbert disse que a proteína spike da variante Ômicron contém mutações conhecidas por aumentar a transmissibilidade do vírus.

“Existem mudanças adicionais que podem significar que os anticorpos induzidos pelas vacinas, ou pela infecção com outras variantes, podem ser menos eficazes na prevenção da infecção com Ômicron”, disse Gilbert. “Até que saibamos mais, devemos ser cautelosos e tomar medidas para desacelerar a disseminação dessa nova variante.”

Mais Recentes da CNN