Queiroga anuncia antecipação de doses da Pfizer totalizando 15,5 mi até junho

Ministro da Saúde diz que imunizante será disponibilizado nos próximos meses após negociação do presidente Jair Bolsonaro com executivo da farmacêutica

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira (14) que o governo antecipará o recebimento de doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 até o mês de junho, totalizando 15,5 milhões de doses do imunizante.

“Trago para o senhores uma boa notícia: a antecipação de doses da vacina da Pfizer, fruto de ação direta do presidente da República, Jair Bolsonaro, com o principal executivo da Pfizer, que resulta em 15,5 milhões da Pfizer já no mês de abril, maio  junho”, disse o ministro, em entrevista após a 2ª reunião do comitê para o enfrentamento da pandemia.

“Ou seja, conseguimos antecipar, no calendário anteriormente previsto, das 100 milhões de doses, 2 milhões de doses da vacina da Pfizer que vai fortalecer nosso calendário de vacinação.”

Anteriormente, o governo federal tinha estimado que receberia até 13,5 milhões de doses do imunizante da Pfizer até junho.

O ministro afirmou que também foram discutidas na reunião estratégias para ampliar a oferta de insumos que fazem parte do chamado kit de intubação para pacientes com o novo coronavírus.

“O governo federal, através de iniciativa conjunta com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), já fez uma compra direta e estimamos que nos próximos 10 dias tenhamos nosso estoque regulador fortalecido para acabar com essa luta do dia e dar suporte para as secretarias [estaduais e municipais]”, afirmou Queiroga.

Ele disse que o governo também fará um pregão internacional para comprar mais fármacos que fazem parte desse kit e ampliar seus estoques.

Outra questão que tem sido alvo de reclamações é o fornecimento de oxigêncio para os hospitais. Nesse sentido, o ministro afirmou que serão recebidos 18 caminhões importados do Canadá que auxiliaram na distribuição do insumo para as unidades médias.

O ministro também destacou a escolha da enfermeira Franciele Fontana para a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 – ela atuou como coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) .

“Escolhemos uma funcionária de carreira para prestigiar a carreira pública, para fortalecer os quadros do ministério. Ela coordena o PNI e, ao trazer alguém que coordena o PNI, sinalizamos claramente que o objetivo principal é fortalecer nossa campanha de vacinação”, disse.

Resistência a projeto no Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou na entrevista ao lado de Queiroga que o projeto de lei, já aprovado na Câmara, que permite a aquisição de vacinas pela iniciativa privada – desde que seja doada a mesma quantidade ao Sistema Único de Saúde (SUS) – está em discussão colégio de líderes da Casa.

“Reconheço muita resistência dos senadores em relação ao andamento do projeto, mas estamos trabalhando no diálogo para avaliar a oportunidade de pauta dele no Senado”, afirmou.

Pacheco destacou ainda que tanto ele quanto o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), que representou a Câmara na reunião desta quarta, recomendaram ao presidente Bolsonaro a sanção do Projeto de Lei 1.010/2021, sobre a possibilidade de aquisição ou credenciamento de leitos de UTI com a participação da iniciativa privada.

Mais Recentes da CNN