Risco de coágulo é maior após Covid do que após vacinação, diz estudo de Oxford

Estudo apontou que risco de desenvolver o coágulo após infecção por Covid-19 chega a ser 100 vezes maior do que o normal

Lindsay Isaac, da CNN

Ouvir notícia

Pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram que o risco de um tipo raro de coágulo sanguíneo é baixo em geral, mas maior entre as pessoas que foram infectadas com Covid-19 do que entre pessoas que foram vacinadas com uma das três vacinas autorizadas no Reino Unido – aquelas feitas pela AstraZeneca , Moderna e Pfizer.

O estudo, disponibilizado em versão pré-impressa nestaa quinta-feira (15) no site Oxford antes da publicação em um jornal científico, diz que o risco de trombose venosa cerebral ou TVC – também conhecida como trombose do seio venoso cerebral ou CVST – após infecção por Covid-19, também analisado como o risco de desenvolver o coágulo, chega a ser “100 vezes maior do que o normal e várias vezes maior do que após a vacinação ou após a influenza”, em todas as faixas etárias.

“A Covid-19 aumenta significativamente o risco de TVC, aumentando a lista de problemas de coagulação do sangue que esta infecção causa”, disse Paul Harrison, professor de psiquiatria e chefe do Grupo de Neurobiologia Translacional da Universidade de Oxford.

Doses de vacina Oxford/AstraZeneca
Doses de vacina Oxford/AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), chegaram a Curitiba (23.jan.2021)
Foto: CASSIANO ROSÁRIO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

 

A Universidade de Oxford, que desenvolveu a vacina AstraZeneca, disse que a pesquisa é de uma parte separada da universidade e não está ligada à equipe de vacinação. Os dados utilizados foram obtidos de fontes externas, nomeadas pela  Agência Europeia de Medicamentos.

Quando comparado ao risco de coágulos das três vacinas, o risco de infecção é “entre 8 e 10 vezes maior e, em comparação com a linha de base, aproximadamente 100 vezes maior para infecção”, disse a Oxford em um comunicado à imprensa.

De acordo com a pesquisa, quando comparadas com as vacinas de mRNA – Pfizer e Moderna – o risco de TVC por Covid-19 é cerca de 10 vezes maior. Quando comparado com a AstraZeneca, o risco de um CVT da Covid-19 é cerca de oito vezes maior. A vacina Johnson & Johnson Covid-19 não foi incluída na análise.

Usando uma rede de registros eletrônicos de saúde com mais de 500.000 casos positivos de Covid-19, 489.871 casos vacinados e 172.724 casos de gripe, o estudo descobriu que 30% dos casos de TVC ocorreram na faixa etária abaixo de 30 anos, com maior risco de coágulos sanguíneos.

“Considerando o equilíbrio entre os riscos após vacinação, o risco do Covid-19 é maior do que as vacinas atuais, mesmo para menores de 30 anos; algo que deve ser levado em consideração ao considerar o equilíbrio entre riscos e benefícios para a vacinação”, acrescentou Harrison.

O Dr. Maxime Taquet do Grupo de Neurobiologia Translacional de Oxford e um co-autor do estudo alertou que os dados ainda estão se acumulando. Os pesquisadores ainda precisam determinar se a Covid-19 e as vacinas levam à CVT da mesma forma, disse ela.

Os especialistas observaram que a TVC é tão rara que há dados limitados, mesmo antes da pandemia, e os dados, e fontes sobre as vacinas Covid-19 são inconsistentes e limitados.

“No geral, a principal descoberta é que esses eventos CVT são muito raros – alguns em cada milhão de pessoas envolvidas – em pacientes com Covid-19 e em pessoas que receberam uma das vacinas – mas eram muito mais raros nas pessoas que receberam a vacina do que em pessoas que tinham Covid-19 ”, disse Kevin McConway, professor emérito de estatística aplicada na Open University, em um comentário ao Science Media Center no Reino Unido.

“Os pesquisadores não afirmam que as vacinas não aumentam o risco em comparação com o risco em pessoas que não foram vacinadas e também não tiveram Covid-19 – mas eles dizem que o risco de TVC em pessoas que tiveram Covid-19 é cerca de 100 vezes que o risco na população em geral.”

Alguns antecedentes: reguladores europeus e britânicos de medicamentos anunciaram na semana passada uma “possível ligação” entre a vacina AstraZeneca e casos raros de coágulos sanguíneos, com o Reino Unido anunciando que ofereceria a pessoas com menos de 30 anos uma vacina alternativa. Outros países seguiram o exemplo e estão oferecendo apenas para pessoas acima de certa idade ou são como Dinamarca e Noruega, descartando totalmente a vacina. Ao aconselhar o público a procurar sinais de coágulos, os reguladores disseram que os benefícios da injeção ainda valem o risco. A vacina AstraZeneca não foi autorizada para uso nos Estados Unidos.

Seis relatos de eventos de coagulação semelhantes após a vacinação com o imunizante de dose única da Johnson & Johnson levaram os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e a Food and Drug Administration dos Estados Unidos a recomendarem uma pausa na administração da vacina para permitir uma investigação mais aprofundada.

Seis mulheres com idades entre 18 e 48 anos desenvolveram uma trombose do seio venoso cerebral, um coágulo na área do cérebro que coleta e drena o sangue pobre em oxigênio. Anticoagulantes, o tratamento típico para coágulos, não devem ser usados nesses casos. Os seis casos relatados ocorreram entre mais de 6,8 milhões de doses da vacina Johnson & Johnson administrada nos Estados Unidos.

A UE, que depende fortemente da vacina J&J para reforçar o atraso na implementação da vacinação, também interrompeu o uso da vacina. A Agência Europeia de Medicamentos deve anunciar uma decisão sobre a administração da vacina Johnson & Johnson na próxima semana.

A OMS disse na quinta-feira que “por enquanto o risco de sofrer coágulos sanguíneos é muito maior para alguém com Covid-19 do que para alguém que tomou a vacina AstraZeneca.” O Diretor Regional da OMS para a Europa, Hans Kluge, reiterou sua recomendação da vacina AstraZeneca para todos os adultos elegíveis, chamando-a de “eficaz na redução da hospitalização por COVID-19 e prevenção de mortes”.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão em inglês)

Mais Recentes da CNN