Saúde: regra para cloroquina é ‘resposta à população’ após mortes por Covid-19

A medicação não tem eficácia comprovada contra a doença, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)

Cloroquina e hidroxicloroquina serão utilizadas no tratamento contra a Covid-19 no Brasil
Cloroquina e hidroxicloroquina serão utilizadas no tratamento contra a Covid-19 no Brasil Foto: Chris Wattie - 12.jun.2019/ Reuters

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo*

Ouvir notícia

Definidas na manhã desta quarta-feira (20), as novas orientações para a adoção da cloroquina e da hidroxicloroquina em tratamento de pacientes com a Covid-19 são a forma de o Ministério da Saúde dar uma “resposta à população” após as quase 18 mil mortes causadas pelo coronavírus no Brasil, disse hoje uma representante da pasta. A medicação não tem eficácia comprovada contra a doença, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Essa nota informativa à classe médica vem da necessidade de dar uma resposta à população”, afirmou a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro. “Há um clamor da sociedade, que chega ao Ministério da Saúde através de sociedades médicas, representações populares e dos seus parlamentares”.

Na terça (19), o Brasil contabilizou 1.179 mortes por Covid-19 em 24 horas, o maior número de vítimas registrado em um dia. 

Pelas novas orientações, os medicamentos poderão ser usados já a partir do primeiro dia da manifestação de sintomas leves da Covid-19, como coriza, perda de olfato e paladar, febre, dor de cabeça, dor abdominal e diarreia. A secretária Mayra Pinheiro afirmou que a pasta buscou obter “equidade” com o SUS, diante de relatos de que a medicação já é ministrada em instituições particulares.

A rejeição para aplicação aos pacientes com os sintomas considerados leves era rejeitada pelos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, diante dos potenciais efeitos colaterais da medicação. Há indicativos de que o uso dos compostos possa causar problemas cardiológicos em parte dos pacientes.

Assista e leia também:

Debate sobre uso da cloroquina deve ser menos politizado, afirmam médicos

Mortes esperando teste para Covid-19 chegam ao maior número em pandemia

Mandetta chegou a argumentar que seria perigoso dar um medicamento a um grupo amplo de pacientes que estejam submetidos ao risco, sendo que apenas uma parcela vai evoluir para formas mais graves da Covid-19.

“Não retardaremos o início da possibilidade de tratamento enquanto se aguarda o resultado dos exames que devem ser feitos”, afirmou a secretária, que classificou a situação atual como uma “greve”, reiterando que o Ministério da Saúde rejeita a autoprescrição.

Pinheiro afirmou que o Ministério da Saúde vai mitigar os riscos a partir de um acerto com a Sociedade Brasileira de Cardiologia. Segundo Mayra, os pacientes que estiverem no tratamento com a hidroxicloroquina deverão passar pelo exame de eletrocardiograma no primeiro, no terceiro e no quinto dia do tratamento. A entidade facilitará, diz ela, que exames realizados em regiões distantes do país sem cardiologistas disponíveis possam ser analisados à distância, por meio de telemedicina.

Documento sem assinaturas

Questionados sobre a falta de assinaturas no documento de liberação da cloroquina no SUS, os secretários afirmaram que, em breve, o documento com a validação e a assinatura de todos os secretários da pasta será colocado no site do ministério.

O documento traz o detalhe sobre as diferentes recomendações para os pacientes leves, moderados e graves. Para os dois primeiros níveis da doença, o médico pode receitar ao paciente o uso da cloroquina com a azitromicina, ou a hidroxicloroquina com a azitromicina. Já aos mais críticos, a recomendação é pela substância mais leve, a hidroxicloroquina com a azitromicina. De acordo com os técnicos, como os pacientes graves já têm diversas disfunções e a cloroquina pode gerar muitas outras, é melhor que se use a mais leve.

O secretário-executivo substituto, Élcio Franco, disse que a nova postura do MS não é o cumprimento de uma ordem do presidente da República, Jair Bolsonaro, mas, sim, um trabalho técnico e científico.

Nota técnica

Pela recomendação, os pacientes podem tomar, entre o primeiro e 14º dia, cloroquina ou sulfato de hidroxicloroquina associado à azitromicina durante cinco dias. A orientação vale para todos os casos (leves, moderados e graves), observadas as especificações de dosagem. Para os casos graves, o medicamento é indicado também após o 14º dia, observando as características de cada paciente.

O documento divulgado pelo Ministério da Saúde faz algumas ressalvas. Entre elas, a de que o medicamento deve ser prescrito por um médico e que ele tem autonomia para decidir ou não sobre o uso.

(*Colaborou Natália André, de Brasília)

Mais Recentes da CNN