Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Silenciosa e negligenciada, doença de Chagas atinge mais de 1 milhão de brasileiros

    Infecção causada pelo protozoário Trypanossoma cruzi afeta cerca de 6 milhões de pessoas nas Américas

    Inseto barbeiro, transmissor do protozoário causador da doença de Chagas
    Inseto barbeiro, transmissor do protozoário causador da doença de Chagas Josué Damacena/IOC/Fiocruz

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    A doença de Chagas faz parte do grupo de doenças tropicais negligenciadas da Organização Mundial da Saúde (OMS). A enfermidade apresenta elevada prevalência e carga de mortalidade expressiva, além de contribuir para a manutenção de um ciclo crítico de pobreza.

    A infecção, causada pelo protozoário Trypanossoma cruzi, afeta cerca de 6 milhões de pessoas nas Américas, com incidência anual de 30 mil novos casos na região e, em média, 14 mil mortes a cada ano. Estima-se que haja no Brasil, atualmente, pelo menos um milhão de pessoas infectadas por T. cruzi.

    Em estudos recentes, as estimativas variaram de 1,9 a 4,6 milhões de pessoas, provavelmente, mais próximo atualmente à variação de 1,0 a 2,4% da população. O Ministério da Saúde aponta para uma elevada carga de mortalidade por Chagas no país, representando uma das quatro maiores causas de mortes por doenças infecciosas e parasitárias. Nos últimos anos, foram registrados cerca de 4 mil óbitos anuais no país, que tiveram como causa básica o agravo.

    O Dia Mundial da Doença de Chagas, celebrado nesta sexta-feira (14), promove a conscientização sobre o combate à enfermidade, que pode ser silenciosa. Em evento do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a pesquisadora Tania Araújo Jorge destacou a importância dos avanços na pesquisa na área.

    “Essa relação entre a pesquisa básica, a pesquisa clínica em doença de Chagas, está avançando bastante por que estamos falando de Chagas com pessoas diretamente afetadas, que são interessados em que a pesquisa gere produtos, inovações e resultados”, disse.

    Por que a doença de Chagas persiste como um problema de saúde pública

    Migrações sem controle, degradação ambiental, alterações climáticas e concentração de pessoas em áreas urbanas são alguns dos fatores determinantes para a transmissão do agente causador da doença de Chagas aos humanos.

    Com perspectivas desiguais, as populações infectadas apresentam maior vulnerabilidade, com maior exposição a outras doenças. Falta ou dificuldade de acesso aos serviços de saúde dificultam o diagnóstico, levando a falhas nas estratégias de prevenção e acesso ao tratamento adequado, aumentando a probabilidade de desenvolvimento de formas graves da doença.

    O diagnóstico tardio também acontece devido à falta de conhecimento de profissionais e de gestores de saúde sobre condições de risco e informações acerca da identificação de novos casos. O atraso favorece o agravamento do quadro clínico, levando a sequelas significativas para o organismo, que são físicas, cardíacas, digestivas e neurológicas.

    O risco de transmissão vetorial da doença de Chagas persiste em função de diferentes fatores, como a a existência de espécies de triatomíneos nativas com elevado potencial de colonização do domicílio ou histórico recorrente de invasão ao ambiente domiciliar.

    A presença de animais reservatórios de T. cruzi e a aproximação cada vez mais frequente das populações humanas a esses ambientes também é um quesito relevante para a transmissão. Assim como a persistência de focos residuais de T. infestans no estado da Bahia.

    De acordo com o Ministério da Saúde, soma-se a esse quadro a ocorrência de casos e surtos por transmissão oral pela ingestão de alimentos contaminados (caldo de cana, açaí, bacaba, entre outros), vetorial domiciliar sem colonização e vetorial extradomiciliar, principalmente na Amazônia Legal.

    Transmissão acontece pelas fezes de parasitos infectados, após picada pelo inseto barbeiro / Josué Damacena/IOC/Fiocruz

    Doença silenciosa

    A doença de Chagas, também chamada de tripanossomíase americana, apresenta uma fase aguda que pode ser sintomática ou não, e uma fase crônica, que pode se manifestar nas formas indeterminada (assintomática), cardíaca, digestiva ou cardiodigestiva – dependendo dos impactos causados no organismo.

    Estima-se que 60% das pessoas com infecção por T. cruzi permanecem na forma indeterminada, 30% e 10% evoluirão para forma cardíaca e digestiva, respectivamente.

    Apesar da grande redução na incidência dos casos de doença de Chagas aguda, evidencia-se nos últimos anos a ocorrência sistemática destes casos relacionados à transmissão oral, principalmente na região amazônica, bem como à transmissão vetorial.

    O agravo apresenta expressiva mortalidade, além de ser uma causa de incapacidade dos indivíduos. A forma cardíaca é a responsável pela maior parte dos óbitos, sendo as manifestações clínicas agrupadas em três grupos: arritmias, insuficiência cardíaca e tromboembólica (associada à formação de trombose).

    Normalmente a fase aguda é assintomática e pode passar despercebida, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Quando aparente, o quadro clínico da infecção surge de 5 a 14 dias após a transmissão pelo vetor, sendo os principais sintomas: febre prolongada, com duração de mais de sete dias, dor de cabeça, fraqueza intensa, inchaço no rosto e pernas.

    Já na fase crônica, a maioria dos casos não apresenta sintomas (60%), porém os demais podem apresentar problemas cardíacos e digestivos, mais tarde, 20 a 40 anos depois da infecção original. O quadro grave é caracterizado por febre de intensidade variável, mal-estar, inflamação dos gânglios linfáticos e inchaço do fígado e do baço.

    A transmissão acontece pelas fezes de parasitos infectados, após picada pelo inseto barbeiro, ingestão de alimentos contaminados com parasitos, transmissão de parasitos de mulheres infectadas para seus bebês, durante a gravidez ou o parto, transfusão de sangue ou transplante de órgãos de doadores infectados a receptores sadios e, acidentalmente, pelo contato da pele ferida ou de mucosas, com material contaminado.

    Diagnóstico e tratamento

    O diagnóstico oportuno é fundamental para o início imediato do tratamento e a prevenção ao agravamento da doença com impactos cardíacos e digestivos.

    Na fase aguda e nas formas crônicas da doença de Chagas, o diagnóstico pode ser realizado pela detecção do parasito causador da infecção por meio de métodos laboratoriais de visualização do parasito direta ou indiretamente e pela presença de anticorpos no soro, por meio de testes específicos.

    O tratamento da doença de Chagas deve ser indicado por um médico, após a confirmação da doença. O remédio, chamado benznidazol, é fornecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mediante solicitação das Secretarias Estaduais de Saúde e deve ser utilizado em pessoas que tenham a doença aguda assim que ela for diagnosticada.

    Para as pessoas na fase crônica, a indicação desse medicamento depende da forma clínica e deve ser avaliada caso a caso. Em casos de intolerância ou que não respondam ao tratamento com benznidazol, o Ministério da Saúde disponibiliza o nifurtimox como alternativa de tratamento.

    A prevenção da doença de Chagas está associada à forma de transmissão. Uma das formas de controle é evitar que o barbeiro forme colônias dentro das residências, por meio da utilização de inseticidas.

    Em áreas onde os insetos possam entrar nas casas voando pelas aberturas ou frestas, pode-se usar mosquiteiros ou telas metálicas. O Ministério da Saúde também recomenda a utilização de medidas de proteção individual, como repelentes e roupas de mangas longas, durante a realização de atividades noturnas em áreas de mata.