SP e RJ têm estratégia distinta para monitorar passageiros de voo com nova cepa

Homem infectado pela cepa segue em isolamento na cidade do Rio de Janeiro

Viajante com máscara chega ao aeroporto de Guarulhos
Viajante com máscara chega ao aeroporto de Guarulhos Foto: Amanda Perobelli - 27.fev.2020/ Reuters

Pedro Duran, Anne Barbosa e Beatriz Puente, da CNN, em São Paulo e no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Pelo menos 41 pessoas estão sendo monitoradas após um homem ter tido a infecção pela variante do coronavírus proveniente da Índia confirmada pelo Instituto Adolfo Lutz. São passageiros dos voos que trouxeram o homem de 32 anos da Índia para o Brasil e que o levaram de Guarulhos, em São Paulo, para o Rio de Janeiro, além de pessoas que podem ter tido contato com ele na rota percorrida. Estão empenhadas no monitoramento e testagem dessas pessoas as secretarias de saúde de São Paulo, Rio de Janeiro e Campos dos Goytacazes.

No caso de São Paulo, são duas pessoas que não tinham sido testadas para o coronavírus até o fim desta quinta-feira, (27). Um deles esteve no voo que saiu da Índia, passou por Doha e chegou ao Guarulhos, e o outro no voo doméstico de Guarulhos para o Rio de Janeiro.

A CNN apurou que a ação da Secretaria Municipal de Saúde segue o plano municipal para enfrentar a Covid-19 que prevê a testagem apenas dos que tiverem manifestado sintomas da doença. Os paulistanos que estão sendo monitorados recusaram a oferta da prefeitura de ficarem hospedadas em um hotel destinado ao isolamento e estão cumprindo quarentena em suas casas em São Paulo.

A prefeitura do Rio de Janeiro tomou a medida oposta e testou todas as 29 pessoas que tiveram contato de alguma forma com o homem. “Também a gente está em articulação com a secretaria municipal de São Paulo e outras secretarias municipais sob a coordenação, nesse processo, do Ministério da Saúde. (…) Até agora não temos notícia de nenhum teste positivo dos contactantes dessa variante indiana.”, disse o secretário de saúde da cidade, Daniel Soranz.

Já a prefeitura de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, adotou uma estratégia intermediária. Das dez pessoas monitoradas porque teriam tido contato com o homem, dois fizeram testes do tipo PCR e terão o resultado informado nesta sexta-feira. Se eles tiverem o diagnóstico de Covid-19 confirmado, as amostras serão encaminhadas para analisar se trata-se da variante. Ambos já testaram negativo para a Covid-19 na última terça-feira (25) e estão em isolamento domiciliar.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que comunicou o caso ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), órgão ligado ao Ministério da Saúde e que teria avisado estados e municípios envolvidos.

O homem infectado com a variante originária da Índia tinha sintomas da doença. Segundo o documento divulgado pelo CIEVS de Campos, ele apresentava tosse e ardência nas narinas. O viajante retornou ao Brasil no último sábado (22), pelo Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), onde foi testado. Antes que saísse o resultado, ele foi autorizado a embarcar para o Rio de Janeiro, em outro voo. O homem pernoitou em um hotel da capital fluminense e foi de carro no domingo, para o interior.

Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que não há exigência de testes para embarques nacionais e não é competência da Anvisa o monitoramento de pessoas em trânsito entre estados e municípios. A Anvisa também informou que o viajante recebeu o resultado positivo para Covid-19 quando já estava no estado fluminense.

Mais Recentes da CNN