Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Técnica pode ajudar a parar de roer unhas e outros comportamentos repetitivos

    Uma simples técnica experimental pode ajudar aqueles que sofrem com comportamentos repetitivos focados no corpo

    Mulher roendo as unhas.
    Mulher roendo as unhas. Getty Images

    Katie Huntda CNN

    Roer compulsivamente as unhas, cutucar a pele, puxar o cabelo e morder os lábios e bochechas estão entre uma série de comportamentos repetitivos focados no corpo (ou CRFCs), que podem se tornar uma fonte de sofrimento. No entanto, uma nova pesquisa pode oferecer esperança de alívio.

    Embora muitas pessoas possam ter pelo menos um desses hábitos de maneira menos ou mais repetitiva, o comportamento pode causar danos visuais à pele – como cicatrizes, feridas e lesões – e afetar a saúde mental, disse Steffen Moritz, chefe de neuropsicologia clínica no departamento de psiquiatria e psicoterapia do University Medical Center Hamburg-Eppendorf, na Alemanha.

    “Na verdade, a maioria das pessoas mostra algum desses hábitos ao longo de sua vida, especialmente roer unhas, até certo ponto, mas todos eles podem se tornar problemáticos quando feitos excessivamente”, disse Moritz, que costumava roer as unhas.

    “E várias dessas pessoas também têm problemas coexistentes, muitas vezes como consequência, porque têm vergonha de seu comportamento”, disse ele. “Eles evitam a intimidade, principalmente na tricotilomania (arrancar os pelos do corpo) ou na mania de cutucar a pele, como não tirar a roupa na frente do parceiro, por exemplo.”

    Embora muitas vezes mal interpretados como menores, esses comportamentos repetitivos em alguns casos extremos podem se tornar uma ameaça à vida. Casos de sepse, uma reação grave a infecção, foram associados a cutucar a pele. Puxar e comer o cabelo já levou a graves problemas estomacais com complicações fatais.

    A terapia cognitivo-comportamental, guiada por um terapeuta, é considerada o tratamento padrão-ouro para CRFCs problemáticos, observou Moritz.

    No entanto, um teste, cujos resultados foram publicados na revista médica JAMA Dermatology em 19 de julho, sugere uma técnica de autoajuda que pode trazer algum benefício se a terapia não for uma opção imediata.

    Toque gentil

    Frequentemente envoltos em vergonha e sigilo, os CRFCs não devem ser considerados uma forma de automutilação ou auto-ódio, disse Moritz. Eles são entendidos mais precisamente como uma forma de acalmar o sistema nervoso, principalmente quando sob estresse, para aliviar o tédio ou para liberar emoções fortes como a raiva.

    Os CRFCs podem acontecer de maneira automática, ao assistir televisão ou estudar, ou de maneira mais intencional – por exemplo, ao ficar em frente a um espelho.

    “Eu mesmo tenho roído as unhas, então me considero um especialista por profissão, mas também por experiência. CRFCs trazem algum alívio, algum prazer, então há sentimentos contraditórios”, disse ele.

    “Então nasceu a ideia de fazer algo que também é repetitivo e autoconfortante, mas não disfuncional. Também é discreto”, falou Moritz.

    A técnica de substituição de hábito que Moritz e seus colegas desenvolveram envolve acariciar suavemente sua pele de várias maneiras diferentes: circulando o dedo indicador e médio, batendo os dedos médio e indicador contra o polegar, cruzando os braços e acariciando os antebraços, circulando as pontas dos dedos na palma da mão, depois da outra mão, entre outros.

    Se você está especialmente preocupado em cutucar a pele, pode circular suas roupas em vez de tocar seu corpo diretamente.

    Moritz e sua equipe fizeram um vídeo para demonstrar as diferentes técnicas, e cabe aos indivíduos descobrir qual técnica funciona melhor para eles.

    O médico disse que outras formas de terapia de substituição de hábitos tendem a se concentrar em um movimento de “congelamento”, como cerrar o punho ou sentar sobre as mãos quando você sente vontade de pegar o cabelo ou a pele, mas ele queria introduzir elemento mais calmante.

    No estudo, Moritz recrutou 268 pessoas com CRFCs – incluindo participantes com comportamentos de cutucar a pele, tricotilomania, roer unhas e morder lábios e bochechas – com idades entre 18 e 80 anos.

    Após seis semanas, 54% das pessoas no grupo que usou as técnicas de substituição de hábito relataram melhora em uma escala criada para medir a gravidade do comportamento repetitivo focado no corpo, em comparação com 20% no grupo de controle. Roedores de unhas pareciam se beneficiar mais com a técnica.

    No entanto, o estudo teve limitações significativas – foi realizado em um curto período de tempo, sem mais acompanhamento, a grande maioria das pessoas que participaram eram mulheres brancas e os participantes foram recrutados por meio da mídia social.

    “Não sabemos quão sustentado é o efeito”, disse Moritz. “Não fizemos nenhuma avaliação cara a cara adequada”, acrescentou, explicando que muitos pacientes não querem procurar ajuda de um médico.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original