Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tudo o que se sabe sobre a KP.2, nova variante da Covid

    Nova cepa faz parte da família Ômicron e já se tornou dominante nos Estados Unidos; especialista tira as principais dúvidas

    A nova variante do coronavírus, a KP.2, é altamente transmissível, mas não parece causar doença mais grave, segundo especialista
    A nova variante do coronavírus, a KP.2, é altamente transmissível, mas não parece causar doença mais grave, segundo especialista Yuichiro Chino/GettyImages

    Katia Hetterda CNN

    Há uma nova variante do coronavírus circulando. A KP.2, membro das chamadas variantes FliRT, apelidadas por causa de suas mutações, tornou-se a cepa dominante do coronavírus nos Estados Unidos, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Essas variantes FliRT têm certas mutações em comum, mas ainda fazem parte da família Ômicron do coronavírus.

    No período de 28 de abril a 11 de maio, quase 30% dos novos casos nos Estados Unidos foram causados pela KP.2, um aumento em relação a menos de 16% no período de duas semanas anteriores.

    O que as pessoas devem saber sobre essa nova variante? Quais são os sintomas da infecção? As vacinas ainda funcionam contra a nova cepa? O teste caseiro ainda é confiável? Quanto tempo as pessoas devem isolar-se se contraírem a KP.2? Quem deve tomar tratamentos antivirais se contraírem esse tipo de Covid-19? E qual é a orientação para indivíduos imunocomprometidos — eles devem voltar a usar máscaras?

    Para nos guiar nessas questões, conversamos com a especialista em bem-estar da CNN, Dra. Leana Wen. Wen é médica de emergência e professora clínica associada na Universidade George Washington. Ela serviu anteriormente como comissária de saúde de Baltimore.

    CNN: O que as pessoas devem saber sobre essa nova variante, KP.2?

    Dr. Leana Wen: Desde o início da Covid-19, temos discutido novas variantes. A cepa original do vírus foi substituída pela variante Alpha. Depois tivemos Beta, depois Delta e depois Ômicron.

    KP.2 faz parte da família Ômicron. Parece estar substituindo JN.1 e subvariantes similares, que anteriormente eram as variantes dominantes nos Estados Unidos.

    Sempre que há uma nova variante, há três perguntas principais a serem feitas: Ela é mais contagiosa? Causa uma doença mais grave? E as vacinas e tratamentos existentes funcionam contra ela?

    Uma razão pela qual uma nova cepa substitui as anteriormente dominantes é que ela é tão contagiosa quanto ou mais. Isso significa que a KP.2 pode se espalhar muito facilmente, algo que temos visto ao longo da Covid-19: que o coronavírus é extremamente contagioso e, portanto, difícil de evitar.

    A boa notícia é que a KP.2 não parece causar uma doença mais grave. De fato, as hospitalizações associadas à Covid-19 estão em níveis historicamente baixos. E não há razão para acreditar que as vacinas e tratamentos existentes deixariam de funcionar contra ela.

    CNN: Quais são os sintomas de infecção com a KP.2?

    Wen: A maioria das pessoas que contraem o coronavírus nunca saberá qual variante está causando seus sintomas. Os sintomas da infecção por Covid-19 incluem coriza, dor de garganta, dor de cabeça, febres, tosse e dores no corpo. Algumas pessoas podem apresentar sintomas mais graves, como falta de ar. A Covid-19 também pode agravar condições subjacentes, como insuficiência cardíaca.

    Nenhum desses sintomas é específico da KP.2, que até agora não foi relatada como associada a sintomas únicos que a distingam de outras infecções por coronavírus. É importante lembrar que, em muitos indivíduos, os sintomas da Covid-19 podem ser difíceis de diferenciar de outras infecções virais, como a gripe ou o resfriado comum.

    CNN: O teste caseiro ainda é confiável?

    Wen: Testes rápidos de antígeno caseiros são um método fácil e conveniente para rastrear a Covid-19, embora não sejam tão confiáveis ou precisos quanto os testes laboratoriais de PCR (reação em cadeia da polimerase). Não há indicação de que os testes caseiros sejam menos eficazes em detectar essa nova variante em comparação com as variantes anteriores.

    Recomendo que as pessoas façam um teste caseiro se tiverem sintomas e puderem ser elegíveis para tratamento antiviral. Se alguém estiver muito preocupado que possa ter Covid-19, pode fazer vários testes caseiros em dias diferentes e considerar fazer um teste de PCR também.

    CNN: As vacinas existentes funcionam contra a KP.2? E a vacina que deve ser lançada no outono?

    Wen: As vacinas existentes ainda devem ter atividade contra a KP.2. O CDC emitiu orientações recomendando uma segunda dose da vacina lançada no outono de 2023 para aqueles com 65 anos ou mais.*

    Espera-se que os funcionários federais de saúde recomendem uma versão reformulada da vacina contra a Covid-19 no outono. As novas vacinas deverão ser diferentes das atuais, pois as vacinas mais recentes irão direcionar as variantes previstas para estarem em circulação no outono e inverno. Se os funcionários de saúde preverem que a KP.2 estará entre essas variantes, as vacinas de outono provavelmente serão ainda mais eficazes contra a KP.2.

    CNN: Quanto tempo as pessoas devem se isolar se contraírem Covid-19?

    Wen: No início deste ano, o CDC eliminou a exigência de isolamento de cinco dias. Agora, a agência recomenda que as pessoas diagnosticadas com Covid-19 fiquem em casa até estarem sem febre por pelo menos 24 horas e seus sintomas estiverem melhorando. Nos cinco dias seguintes, ainda devem tentar tomar precauções adicionais, como usar máscara e limitar o contato próximo com outras pessoas.

    CNN: Quem deve tomar tratamentos antivirais se contrair Covid-19?

    Wen: Pessoas com alto risco de desenvolver doença grave por Covid-19 devem considerar tratamentos antivirais. Essa categoria de alto risco inclui indivíduos mais velhos, pessoas imunocomprometidas e aquelas com condições médicas subjacentes graves.

    Existem dois medicamentos orais disponíveis e também uma injeção de um terceiro antiviral. Recomendo que todos perguntem ao seu profissional de saúde se devem tomar um tratamento antiviral se contraírem o coronavírus, e, se sim, qual deles e como acessá-lo.

    *Nota da redação: No Brasil, o esquema atual de vacinação contra a Covid-19 é estabelecido de acordo com as faixas etárias, os imunizantes disponíveis, as recomendações dos fabricantes e os resultados de estudos nacionais e internacionais., de acordo com o Ministério da Saúde. É possível conferir o esquema vacinal atualizado aqui.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original