Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vacina contra câncer de pele mais letal entra na última fase de teste; saiba como funciona

    Estudo intermediário indicou que combinação com medicamento já utilizado reduziu o risco de recorrência ou morte em 44% em pacientes com melanoma

    Testes da vacina irão durar cerca de um ano
    Testes da vacina irão durar cerca de um ano CMB/Getty Images

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    As farmacêuticas Moderna e MSD anunciaram que o tratamento conjunto que estão desenvolvendo contra o melanoma, o tipo mais letal de câncer de pele, irá para a terceira e última fase de testes clínicos. Ele inclui uma nova vacina e um medicamento já utilizado contra a doença.

    Serão recrutadas aproximadamente 1.089 pessoas maiores de 18 anos em cerca de 25 países para os testes. As primeiras inscrições já começaram na Austrália, segundo a nota conjunta das empresas. A pesquisa deve levar mais de um ano para ser concluída.

    VÍDEO: Moderna pode lançar vacina contra câncer de pele

    Dados de um estudo intermediário em 157 pacientes indicaram que a combinação da vacina com a imunoterapia Keytruda reduziu o risco de recorrência ou morte em 44% em pacientes com melanoma quando comparada com a utilização apenas de Keytruda, conforme noticiou a agência de notícias “Reuters”.

    Kyle Holen, vice-presidente sênior e chefe de desenvolvimento, terapêutica e oncologia da Moderna, classificou o início do estudo de fase 3 como “um marco empolgante e importante”.

    Ele destacou que os laboratórios continuarão trabalhando em conjunto para “investigar como a terapia individualizada com neoantígenos pode potencialmente transformar o tratamento da forma mais grave câncer de pele”.

    A Moderna e a MSD informaram que planejam expandir o programa para outros tipos de câncer, incluindo o de pulmão de células não pequenas.

    Entenda como funciona o tratamento

    A vacina experimental contra o câncer da Moderna foi projetada para preparar o sistema imunológico para gerar uma resposta a tumores específicos.

    Ela utiliza a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) –que foi utilizado em algumas vacinas para a Covid-19, por exemplo–, uma espécie de “receita” que será decodificada pelo organismo do paciente para a produção de anticorpos.

    Essa vacina é “individualizada”, pois será produzida com base na sequência genética do tumor de cada paciente.

    Neste caso, a vacina não será utilizada para a prevenção em pacientes que nunca tiveram o câncer, mas para evitar morte ou recorrência em quem já o teve.

    A imunoterapia Keytruda, da MSD, já é usada no tratamento do melanoma. Ela estimula o sistema imunológico a atacar os tumores.

    Entenda como funciona o teste

    Esse estudo é randomizado (pacientes recebem o medicamento/vacina testado ou placebo de forma aleatória), duplo-cego (nem o aplicador, nem o paciente sabem se está sendo usado o placebo ou medicamento/vacina testado) e controlado por placebo e comparador ativo (há comparação entre o tratamento testado e outro já utilizado pela medicina).

    A pesquisa visa testar a eficácia e segurança do imunizante. Serão recrutadas aproximadamente 1.089 pessoas maiores de 18 anos em cerca de 25 países para os testes. As primeiras inscrições já começaram na Austrália, segundo a nota conjunta das empresas.

    Segundo a Moderna e a MSD, após “remoção cirúrgica completa”, alguns pacientes receberão 1 mg a cada três semanas da vacina –até que sejam aplicadas 9 doses– e 400 mg de Keytruda a cada seis semanas.

    Outros receberão apenas Keytruda por aproximadamente um ano “até a recorrência da doença ou toxicidade inaceitável, ou por uma duração total do tratamento de até aproximadamente 56 semanas, o que ocorrer primeiro”.

    Perigo do melanoma

    Segundo as farmacêuticas, o melanoma é caracterizado pelo crescimento descontrolado de células produtoras de pigmento, com cada vez mais casos mundialmente nas últimas décadas.

    Em 2020, ainda de acordo com a nota da Moderna e da MSD, cerca de 325 mil novos casos foram diagnosticados em todo o mundo.

    As empresas ressaltam que especialistas estimam que serão diagnosticados cerca de 100 mil novos casos de melanoma e quase 8.000 mortes pela doença apenas nos Estados Unidos neste ano.

    O câncer de pele é um dos tipos mais comuns de câncer diagnosticados nos EUA, e o melanoma é responsável pela grande maioria de mortes nos cânceres de pele, finaliza a nota das farmacêuticas.