Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja quais estados já antecipam a aplicação da dose de reforço contra Covid

    De acordo com levantamento realizado pela CNN Brasil, dois estados brasileiros já aderiram às novas orientações do Ministério da Saúde

    Novas orientações do Ministério da Saúde busca acelerar aplicação das doses de reforço
    Novas orientações do Ministério da Saúde busca acelerar aplicação das doses de reforço Reprodução

    Nathallia FonsecaGiulia Alecrimda CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    Divulgada na manhã desta terça-feira (16), uma nova diretriz do Ministério da Saúde orienta que os estados diminuam para 5 meses o intervalo entre a aplicação da segunda dose da vacina contra Covid-19 e a dose de reforço do imunizante.

    A pasta também aumentou a faixa etária que deve receber uma nova dose da vacina. Agora, toda a população com mais de 18 anos torna-se apta.

    De acordo com levantamento realizado pela CNN Brasil, dois estados brasileiros já aderiram às duas orientações: Mato Grosso do Sul e Maranhão.

    Em São Paulo, precisamente na capital, a secretaria informa que a aplicação das doses de reforço para maiores de 18 anos será iniciada na próxima quinta-feira (18). Devem comparecer adultos já vacinados com as duas doses das vacinas Coronavac, Astrazeneca e Pfizer há pelo menos cinco meses.

    Já o Pará aparece como único estado que aumentou a faixa etária convocada para o recebimento da terceira dose, porém ainda não aplica a diminuição do intervalo. “A Secretaria informa, ainda, que dispõe de doses suficientes para abastecer os municípios para fazerem as doses de reforço”, diz a nota.

    Piauí e Goiás informaram à CNN que já têm data para aderir às novas regras: respectivamente 22 e 18 de novembro.

    Já em Pernambuco, no Amazonas, Rio Grande do Norte e na Paraíba, apenas a diminuição do intervalo entre a segunda e terceira dose foi aplicada imediatamente.

    O levantamento ainda informa que os demais 15 estados, além do Distrito Federal, aguardam o recebimento de novas doses do Ministério da Saúde ou deliberações específicas para responder sobre o assunto.

    Mais Recentes da CNN