Reino Unido usará sistema desenvolvido por Apple e Google em app contra Covid-19

Segundo a emissora 'BBC', tecnologia será aplicada em um programa de monitoramento da população

Reuters
18 de junho de 2020 às 13:37
Apple e Google têm conversado com o Reino Unido sobre a tecnologia, que usa um modelo descentralizado
Foto: Divulgação / Pixabay

O governo do Reino Unido vai utilizar um sistema desenvolvido por Apple e Google em um programa de monitoramento da população o qual afirma ser voltado ao combate do novo coronavírus, informou a emissora britânica BBC nesta quinta-feira (18).

O programa "test-and-trace" é visto como uma medida fundamental no combate à Covid-19 para a reabertura do país. Contudo, ele foi criticado após o lançamento de um aplicativo desenvolvido pelo Serviço Nacional de Saúde (NHS) ter sido adiado para o fim do ano.

Apple e Google têm conversado com o Reino Unido sobre a tecnologia, que usa um modelo descentralizado. As empresas afirmam que proibiram as autoridades que usam sua tecnologia de coletar dados de localização GPS ou exigir que os usuários insiram dados pessoais, apesar de a conexão estar vinculada a seus aparelhos.

Assista e leia também:

WhatsApp: Saiba como fazer pagamentos seguros com a nova ferramenta do app

Com base em dados, Alemanha lança app que alerta para presença de infectados

Japão quer lançar aplicativo de vigilância contra coronavírus

O chefe do programa do Reino Unido disse, em maio, que um aplicativo centralizado do tipo que o país vinha desenvolvendo tem potencial para dar mais informações sobre a pandemia da Covid-19, mas oferece menos privacidade do que os rivais descentralizados. O modelo da Apple e do Google atraiu o interesse de mais de 20 países.

Os ministros britânicos admitiram problemas técnicos com o aplicativo anterior, o que significava que ele não estava pronto para uso a tempo do lançamento do sistema de vigilância de contatos, em 28 de maio.

O coordenador de testes do país disse que o sistema de monitoramento da população e o aplicativo são "distintos, mas complementares", e é vantajoso introduzir um antes do outro.