Pesquisadores testam com sucesso protótipo de avião futurístico ‘Flying-V’


Amy Woodyatt, da CNN
07 de setembro de 2020 às 15:02 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 10:24

Pesquisadores realizaram com sucesso o voo inaugural de um modelo do Flying-V, um avião futurístico e com consumo de combustível eficiente que pretende carregar passageiros em suas asas.

O design único do Flying-V coloca a cabine de passageiros, o compartimento de cargas e o os tanques de combustível nas asas. Especialistas acreditam que o formato aerodinâmico do avião reduzirá o uso de combustível em 20% em comparação com aeronaves atuais.

Experts testaram um modelo em escala com 3 metros de 22,5 kg do avião futurístico, desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Tecnologia Delft, nos Países Baixos, em parceria com a empresa aérea KLM para levar o desenvolvimento da aeronave para os próximos estágios.

Uma equipe com pesquisadores e engenheiros testou a aeronave em uma base aérea protegida na Alemanha, onde trabalharam com uma equipe da Airbus para testar decolagens, manobras, aproximações e pousos.

Assista e leia também:
Raízen suspende vendas de gasolina de aviação após alerta da Petrobras
Avião se parte em dois durante pouso na Índia e deixa ao menos 18 mortos
Da alimentação ao embarque: pandemia altera rotina nos aeroportos

Pesquisadores testaram com sucesso modelo do avião futurístico Flying-V

Pesquisadores de universidade holandesa em parceria com a KLM testaram com sucesso modelo do avião futurístico Flying-V

Foto: Divulgação/ KLM

"Uma de nossas preocupações era que a aeronave pudesse ter alguma dificuldade para decolar, já que cálculos anteriores haviam mostrado que a 'rotação' poderia ser um problema", disse Roelof Vos, professor assistente da faculdade de engenharia aeroespacial da Universidade de Tecnologia de Delft, que lidera o projeto.

“A equipe otimizou o modelo de voo em escala para evitar o problema, mas a 'prova do pudim está em comê-lo'. É preciso voar para ter certeza”, disse ele.

Controlando remotamente a aeronave, os pesquisadores conseguiram decolar a uma velocidade de 80 km/h. As velocidades de voo, ângulos e empuxo da aeronave estavam conforme planejado, observaram.

Os especialistas trabalharam muito para otimizar o avião: para melhorar a telemetria, a equipe foi obrigada a mudar o centro de gravidade da aeronave e ajustar sua antena.

Ainda há muito trabalho a ser feito antes que uma aeronave real da Flying-V possa voar com passageiros a bordo: pesquisadores disseram que o voo de teste mostrou que o projeto atual da aeronave causa muita oscilação da cauda (conhecida como "rolamento holandês"), o que causa um pouso difícil.

Os especialistas planejam aplicar os dados coletados no voo de teste em um modelo aerodinâmico da aeronave, permitindo programá-lo em um simulador de voo para testes futuros para melhorar os voos.

A equipe fará mais testes no modelo e espera dotar o Flying-V com propulsão sustentável, já que o projeto pretende usar hidrogênio líquido em vez de querosene.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)