Descoberta extraordinária, diz cientista sobre possíveis sinais de vida em Vênus


Da CNN, em São Paulo
14 de setembro de 2020 às 15:11

Cientistas dos Estados Unidos, Reino Unido e Japão encontraram indícios de que exista vida em Vênus. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (14) pela Sociedade Astronômica de Londres – o estudo foi publicado na revista científica Nature.

A cientista Clara Sousa-Silva, astrofísica do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e uma das autoras do estudo, classifica a descoberta como “extraordinária e histórica”.

“É uma descoberta histórica. Se for fosfina e se for vida quer dizer que não só há vida fora da terra, mas aqui ao lado. E quer dizer que a vida é muito comum, talvez inevitável. Quer dizer que nossa galáxia pode estar cheia de vida”, disse ela em entrevista à CNN no início da tarde desta segunda.

Os pesquisadores encontraram gás fosfina na atmosfera do segundo planeta do sistema solar. O gás incolor e altamente tóxico é considerado uma bioassinatura, ou seja, um forte indicador de presença de vida.

Assista e leia também:

Cientistas encontram indícios de vida em Vênus

Nasa quer comprar pedras da Lua

A cientista Clara Sousa-Silva

A cientista Clara Sousa-Silva

Foto: CNN (14.set.2020)

A cientista explica, no entanto, que ainda não é possível garantir que há vida em Vênus. 

“Fosfina é uma molécula relativamente simples, que não é produzida em grandes quantidades na terra. Mas quando é produzida é sempre por vida, como por humanos em laboratório”, disse.

“[A fosfina] é muito perigosa para humanos, mas não é perigosa para o tipo de vida que não precisa de oxigênio”, acrescentou.

Segundo a pesquisadora, há duas grandes fontes de incertezas na descoberta. A primeira, disse, é se realmente as fosfinas foram detectadas. E, em caso positivo, se isso representa a existência de alguma forma de vida mesmo.