Cientistas brasileiros reconstroem crânio de dinossauro de 233 milhões de anos


Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo
19 de novembro de 2020 às 17:31 | Atualizado 20 de novembro de 2020 às 14:43
Pesquisador e fósseis

O pesquisador Rodrigo Müller encontrou os fósseis em 2015

Foto: Capes

Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul, e da Universidade de São Paulo (USP) reconstituíram o crânio do dinossauro Buriolestes schultzi, que se tornou então o dinossauro mais antigo a ter o crânio completamente reconstituído.

O animal viveu no período Triássico, ou seja, há aproximadamente entre 200 e 250 milhões de anos, no território onde hoje se localiza o estado do Rio Grande do Sul. 

De acordo com os estudos dos especialistas, ele se alimentava de animais de pequeno porte, insetos e invertebrados. Devia possuir aproximadamente 1,5 metro, o que o definiria como uma espécie pequena.

Rodrigo Müller, pesquisador da UFSM, encontrou o fóssil em 2015. "O crânio estava muito bem preservado. Já existiam alguns estudos de dinossauros dessa idade, mas nenhum com uma reconstituição tão completa do cérebro", afirmou.

Leia também:
Por que alguns dinossauros tinham pescoços tão longos
Doença que acomete humanos é descoberta em ossos de dinossauro no interior de SP
Garoto de 12 anos encontra fóssil de dinossauro de 69 milhões de anos

"Foi a primeira vez que a gente teve oportunidade de conhecer o crânio completo de um dos primeiros dinossauros”, disse Mario Bronzati, paleontólogo da USP em Ribeirão Preto.

Os cientistas afirmaram que este é um passo importante para desenvolver os estudos desses animais, que configuram algumas das espécies mais antigas de dinossauros.

Imagens dos estudos dos pesquisadores sobre o Buriolestes schultzi

Imagens dos estudos dos pesquisadores sobre o Buriolestes schultzi

Foto: Reprodução/GOVBR

O fóssil foi encontrado em São João do Polesine (RS) em 2015. O nome do animal é construído pelo sobrenome da família proprietária das terras onde fica o sítio arqueológico, "Buriol", e o sufixo "lestes", nomenclatura associadas a animais sorrateiros e caçadores.

"Schultzi" é uma homenagem a César Leandro Schultz, professor de paleontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e referência na área.

*sob supervisão de Leonardo Lellis