Nasa renomeia sede em homenagem a Mary Jackson, 1ª engenheira negra da agência

História da cientista foi retratada no filme indicado ao Oscar, 'Estrelas Além do Tempo'

Shirin Ali e Melissa Gray, da CNN
26 de fevereiro de 2021 às 12:56
Mary Winston Jackson, a primeira engenheira negra da Nasa
Mary Winston Jackson, a primeira engenheira negra da Nasa
Foto: Divulgação/Nasa

O nome de Mary Jackson, a primeira engenheira negra da Nasa e uma das inspirações do livro "Estrelas Além do Tempo" adornará oficialmente a sede da agência em Washington nesta sexta (26). 

A Nasa anunciou a decisão de nomear o prédio em homenagem a ela no ano passado. Membros da família de Jackson, incluindo a neta Wanda, devem participar de uma cerimônia de renomeação junto do administrador interino da Nasa, Steve Jurczyk, informou a agência. Jackson morreu em 2005, aos 83 anos. 

O evento está marcado para as 15h no horário de Brasília e será transmitido ao vivo no site, aplicativo e redes sociais da Nasa.

Jackson foi funcionária da Nasa por 34 anos, começando como matemática de pesquisas e, eventualmente, se tornou a primeira mulher engenheira da agência. Depois, ela migrou para a parte administrativa e trabalhou no Gabinete por Oportunidades Iguais, liderando programas que influenciaram na contratação e promoção de mulheres matemáticas, engenheiras e cientistas. 

Em 2019, Jackson foi condecorada postumamente com a Medalha de Ouro Congressional, a maior honra civil do país. As colegas negras dela no Centro de Pesquisa Langley da Nasa, em Virgínia —Christine Darden, Katherine Johnson e Dorothy Vaughan— também receberam a honraria. 

Sede da Nasa em Washington, que receberá o nome de Mary W. Jackson
Sede da Nasa em Washington, que receberá o nome de Mary W. Jackson
Foto: Divulgação/Nasa

A carreira dela foi retratada no livro "Estrelas Além do Tempo", que foi adaptado em 2016 para um filme com o mesmo nome, estrelando Janelle Monaé no papel de Jackson e detalhando as contribuições de mulheres negras para o início dos voos espaciais. 

As mulheres eram chamadas de "computadores humanos", que faziam os cálculos complexos que possibilitaram as viagens espaciais. Elas tiveram papéis principais nos testes de aeronaves da 2ª Guerra Mundial, na pesquisa de voos supersônicos e no envio das sondas Voyager para exploração do Sistema Solar. Elas também ajudaram na aterrissagem do primeiro homem na Lua, em 1969. 

"As instalações da Nasa em todo o país recebem os nomes de pessoas que dedicaram suas vidas para expandir as fronteiras da indústria aerosespacial. A nação está começando a perceber a necessidade crescente de honrar toda a diversidade de pessoas que tornaram nossa grande nação pioneira", disse o ex-administrador da Nasa Jim Bridenstine num comunicado à imprensa no ano passado, anunciando os planos de renomeação. 

(Texto traduzido, leia o original em inglês)