Astronautas começam caminhada espacial para instalar painéis solares

Os painéis ajudarão a fornecer um aumento de energia para a estação espacial

Ashley Strickland, da CNN
20 de junho de 2021 às 11:35 | Atualizado 20 de junho de 2021 às 15:01

O espaço é difícil — e ninguém entende isso melhor do que os astronautas.

Depois de enfrentar "atrasos técnicos" durante uma caminhada no espaço na quarta-feira, o astronauta da Nasa Shane Kimbrough e o astronauta da Agência Espacial Europeia Thomas Pesquet estão conduzindo uma segunda caminhada no espaço no domingo para continuar a instalação de novos painéis solares. Os painéis ajudarão a fornecer um aumento de energia para a estação espacial.

A caminhada no espaço de domingo já estava programada. Os astronautas levarão adiante parte do trabalho de quarta-feira que ficou inacabado devido aos problemas encontrados.

A caminhada está programada para começar por volta das 8h ET, com cobertura ao vivo no canal de TV e site da Nasa a partir das 6h30 ET. A caminhada no espaço deve durar cerca de seis horas e meia.

Foto: Nasa/Reprodução

 

Pesquet está usando listras vermelhas em seu traje espacial como membro da tripulação extraveicular 1 e Kimbrough está usando o traje sem listras como membro da tripulação extraveicular 2.

Durante a caminhada espacial inicial de quase sete horas no meio da semana, Kimbrough e Pesquet foram programados para instalar os primeiros dois dos seis conjuntos solares de implantação da ISS , chamados iROSAs, que irão atualizar seis dos oito canais de energia na estação espacial.

Mas os astronautas encontraram vários problemas.

Após cerca de três horas de caminhada no espaço, Kimbrough perdeu dados na unidade de exibição de seu traje espacial e foi obrigado a voltar à eclusa de ar da estação espacial para reinicializar o sistema e colocá-lo em funcionamento.

Em seguida, houve um pico momentâneo na leitura da pressão no traje espacial de Kimbrough, que foi estabilizado pouco depois, mas custou aos astronautas um tempo precioso. 

Então, depois que os astronautas moveram os painéis solares para um suporte de montagem, um painel não estava alinhado no suporte quando desdobrado, de acordo com Gary Jordan, um oficial de relações públicas da Nasa.

Os astronautas tiraram fotos para avaliação das equipes de solo e ficaram sem tempo para concluir as últimas etapas — instalação de cabos elétricos e os dois parafusos finais que permitiriam que os painéis solares se desenrolassem.

Eles foram então instruídos a dobrar a matriz de volta e "fixá-la em uma configuração segura", onde permanecerá por enquanto, disse Rob Navias, oficial de relações públicas da Nasa, durante um webcast da caminhada espacial na quarta-feira.

Durante a caminhada no espaço de domingo, os astronautas precisarão instalar os cabos elétricos e os dois parafusos finais para que o painel solar possa se desenrolar totalmente e começar a fornecer energia para a estação espacial. Esta é a 240ª caminhada no espaço em apoio à montagem, manutenção e atualização da estação.

Os painéis solares chegaram à estação espacial em 5 de junho após o lançamento da 22ª missão de reabastecimento de carga do SpaceX Dragon.

O Canadarm2 robótico da estação espacial foi usado para remover os painéis solares da espaçonave na semana passada. As matrizes são enroladas como carpete e têm 340 kg (750 libras) e 3 metros de largura.

Uma vez que os arranjos são desenrolados e fixados no lugar pelos astronautas, eles terão cerca de 63 pés (19 metros) de comprimento e 20 pés (6 metros) de largura. Esse processo de desenrolar levará cerca de seis minutos.

Para proteger os astronautas, uma vez que estão trabalhando em torno de conectores elétricos, a equipe de solo está ocupada conduzindo uma previsão de plasma para determinar que tipo de carga elétrica a estação espacial terá durante a caminhada, de acordo com Kieth Johnson, oficial da caminhada no espaço.

Aspectos metálicos dos trajes espaciais serão cobertos para evitar o contato do metal que poderia causar choque elétrico.

Esta será a oitava caminhada no espaço da carreira de Kimbrough e a quarta de Pesquet. Essas caminhadas espaciais não são a primeira vez que os dois se aventuraram fora da estação espacial juntos.

Kimbrough e Pesquet estiveram na estação espacial em 2017 e anteriormente conduziram duas caminhadas espaciais juntas para substituir baterias de níquel-hidrogênio antigas por novas baterias de íon de lítio mais duradouras.

Embora os atuais painéis solares da estação espacial ainda funcionem, eles fornecem energia para lá há mais de 20 anos e mostram alguns sinais de desgaste após uma exposição prolongada ao ambiente espacial. As matrizes foram projetadas originalmente para durar 15 anos.

A erosão pode ser causada por plumas de propulsão, que vêm tanto dos propulsores da estação quanto da tripulação e dos veículos de carga que entram e saem da estação, disse Dana Weigel, vice-gerente do Programa da Estação Espacial Internacional.

"O outro fator que afeta nossos arranjos solares são os detritos de micrometeoritos. Os arranjos são feitos de um monte de pequenas cordas de força e, com o tempo, essas cordas de força podem degradar se forem atingidas por detritos", disse ela.

Os novos painéis solares serão colocados na frente dos atuais. Isso aumentará a potência total disponível da estação espacial de 160 quilowatts para 215 quilowatts. É também um bom teste para as novas matrizes solares porque este mesmo projeto irá fornecer energia às partes do posto avançado lunar Gateway, que ajudará os humanos a retornar à lua através do programa Artemis da Nasa em 2024 .

"A parte exposta dos arranjos antigos ainda estará gerando energia em paralelo com os novos arranjos, mas esses novos arranjos Iris têm células solares neles que são mais eficientes do que nossas células originais", disse Weigel. "Eles têm uma densidade de energia mais alta e, juntos, podem gerar mais energia do que o que nosso conjunto original, quando era novo, gerava sozinho."

Os novos arrays terão uma expectativa de vida similar de 15 anos. No entanto, como se esperava que a degradação nos arrays originais fosse pior, a equipe monitorará os novos arrays para testar sua verdadeira longevidade, porque eles podem durar mais.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)