Análise de DNA detalha lobo extinto que inspirou mascote de Game of Thrones

Os carnívoros pré-históricos vagaram pela América do Norte até serem extintos há cerca de 13 mil anos

Lobos gigantes eram alguns dos animais de estimação exóticos da série Game Of Thrones
Lobos gigantes eram alguns dos animais de estimação exóticos da série Game Of Thrones Foto: Divulgação/HBO

Amy Woodyatt,

da CNN

Ouvir notícia

Uma espécie extinta de lobo que serviu de inspiração para uma criatura mítica na famosa série “Game of Thrones” tinha pouco em comum com os lobos cinzentos que vagam pela América do Norte hoje, segundo uma nova pesquisa.

Pensava que os animais, com o nome científico de Canis dirus, que significa “cachorro temível”, eram simplesmente uma versão mais robusta do lobo cinzento. No entanto, um novo estudo publicado na revista “Nature” revelou o quão diferentes eles realmente eram.

Os carnívoros pré-históricos vagaram pela América do Norte até serem extintos há cerca de 13 mil anos. Fósseis de lobo-terrível estão entre os mais comumente recuperados no sítio arqueológico de La Brea Tar Pits em Los Angeles.

 

“A narrativa atual é que lobos cinzentos e os lobos-terríveis eram intimamente relacionados, como linhagens de irmãs ou primos, ou talvez o mesmo animal”, disse a autora do estudo, Angela Perri, arqueóloga da Universidade Durham no Reino Unido, à CNN.

“Ficamos muito confortáveis com essa avaliação por 150 anos, pois é isso que as semelhanças em seus esqueletos sugerem. Agora, a genética revelou que eles são muito distantes, tendo se separado uns dos outros há cerca de 6 milhões de anos”, acrescentou Perri.

O lobo terrível da vida real

Lobos-terríveis
Na ilustração, uma matilha de lobos-terríveis (maiores e marrom-avermelhados) se alimenta de um bisão abatido, enquanto um par de lobos cinzentos se aproxima na esperança de se alimentar
Foto: Mauricio Anton

Pela primeira vez, os especialistas sequenciaram o DNA de cinco fósseis de lobos terríveis, encontrados em Wyoming, Idaho, Ohio e Tennessee. Eles datam de mais de 50 mil anos atrás.

A análise mostrou que, ao contrário de muitas espécies parecidas com cães que aparentemente migraram entre a América do Norte e a Eurásia ao longo do tempo, os lobos-terríveis evoluíram apenas na América do Norte por milhões de anos.

A grande divergência entre os animais e os lobos cinzentos os coloca em um gênero totalmente diferente.

“Isso é surpreendente porque pensamos que eles eram parentes próximos há muito tempo. Seus esqueletos e dentes são muito semelhantes. É um caso claro de evolução convergente”, contou Perri. “Também descobrimos que eles eram tão geneticamente distintos uns dos outros que não há evidências de que pudessem cruzar e produzir descendentes”, acrescentou.

 

Lobos-terríveis se sobrepuseram a coiotes e lobos cinzentos na América do Norte por cerca de 10 mil anos antes de sua extinção. Mas não há evidências de que eles tenham cruzado com essas espécies.

Para os especialistas, os lobos-terríveis estavam mal equipados para se adaptar às mudanças nas condições do final da idade do gelo devido às suas diferenças evolutivas.

Os animais também eram muito diferentes de seus glamourosos homólogos da TV. Ao contrário dos lobos terríveis reais, os míticos “lobos gigantes” descritos em “Game of Thrones” seriam do tamanho de cavalos pequenos e associados aos ambientes mais frios de Westeros. Na série, uma ninhada de seis filhotes de lobos gigantes foi adotada pelas crianças Stark, cujo sigilo da casa é o de um lobo gigante.

“Em média, os lobos-terríveis são cerca de 20% maiores do que a média dos lobos cinzentos hoje. Também parece que eles foram adaptados para viver em ambientes quentes de terras baixas, então nós os imaginamos sendo muito mais parecidos com canídeos de clima quente, com pelagem mais curta, talvez avermelhada, e orelhas grandes para termorregulação”, detalhou Perri.

“É muito diferente dos enormes animais peludos e cinzentos representados em ambientes congelados de ‘Game of Thrones’”, acrescentou.

(Texto traduzido, leia o original em inglês).

 

Mais Recentes da CNN