Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    As buscas no Google estão prestes a mudar graças à inteligência artificial

    Empresa anunciou atualização do Google Search, que usará chatbot com inteligência artificial para responder a perguntas e obter informações em segundos

    Pessoa usando o Google Search no celular
    Pessoa usando o Google Search no celular Solen Feyissa/Unsplash

    Samantha Murphy Kellyda CNN

    O Google está avançando com seus planos de trazer recursos de bate-papo de inteligência artificial (IA) para seu principal mecanismo de pesquisa, enquanto trabalha para acompanhar uma onda de novas ferramentas de IA que podem ameaçar o domínio da empresa pela primeira vez em décadas.

    A empresa disse na quarta-feira (10) que o próximo passo na evolução do Google Search, a ferramenta de buscas do Google, é usar um chatbot com inteligência artificial para responder a perguntas “que você nunca pensou que o Search poderia responder” e ajudar os usuários a obter as informações que desejam mais rápido do que nunca.

    Com a atualização, a aparência dos resultados de busca do Google é visivelmente diferente. Quando os usuários digitam uma pergunta na barra de pesquisa principal, eles veem automaticamente uma janela pop-up com uma resposta gerada por inteligência artificial, além de exibir os resultados tradicionais.

    Os usuários agora podem se inscrever para a nova versão do Google Search, que será lançada pela primeira vez nos Estados Unidos, por meio do aplicativo do Google ou do navegador Chrome para desktop. Um número limitado de usuários terá acesso nas próximas semanas, de acordo com a empresa.

    As atualizações foram reveladas no Google I/O, o evento anual para desenvolvedores da empresa, que se concentrou em uma mistura de produtos de IA e hardware. No evento, o Google também anunciou o PaLM 2, seu mais recente modelo de linguagem de inteligência artificial para competir com o GPT-4 do criador do ChatGPT, OpenAI.

    Essa mudança marca um grande passo para a tecnologia que alimenta os produtos de inteligência artificial da empresa, prometendo ser melhor em lógica, raciocínio de bom senso e matemática. Também pode gerar código especializado em diferentes linguagens de programação.

    Os movimentos ocorrem quando os rivais do Google, incluindo a Microsoft, estão correndo para desenvolver e implantar recursos de IA em mecanismos de busca e ferramentas de produtividade após o sucesso do ChatGPT. A imensa atenção no ChatGPT supostamente levou a administração do Google a declarar um status de “código vermelho” para seu negócio de buscas.

    Além das mudanças na ferramenta de buscas, o Google está expandindo o acesso ao seu chatbot atual, Bard, que funciona fora do mecanismo de pesquisa e pode ajudar os usuários a concluir tarefas como esboçar e escrever rascunhos de redações, planejar o chá de bebê de um amigo e obter ideias para o almoço com aquilo que eles têm na geladeira.

    Anteriormente disponível para alguns usuários por meio de uma lista de espera apenas nos EUA, a ferramenta em breve estará disponível para todos os usuários em 120 países e 40 idiomas.

    O Google também está lançando extensões para o Bard em seus próprios serviços, como Gmail, Sheets e Docs, permitindo que os usuários façam perguntas e colaborem com o chatbot nos aplicativos que estão usando.

    Mas a incorporação de chatbots de inteligência artificial traz alguns riscos. Essas ferramentas levantaram preocupações sobre tom e precisão, o que é de particular importância para o mecanismo de busca online que há muito é a base de negócios do Google.

    CEO da Alphabet, Sundar Pichai fala na conferência Google I/O 2023 / 10/05/2023 REUTERS/Jeffrey Dastin

    Mãos à obra com a nova busca do Google

    Na demonstração virtual da ferramenta feita pela CNN antes do anúncio, a ferramenta de pesquisa de IA respondeu em segundos perguntas sobre por que as abelhas eram tão importantes para o nosso ecossistema, se o Sound Hotel, em Portland, Oregon, tem bicicletas Peloton (tem) e quais os acampamentos locais de xadrez para crianças.

    A ferramenta verifica sites, extrai informações relacionadas e as empacota de maneira organizada na parte superior da página de resultados, destacando as fontes em uma seção separada ao lado.

    Mas não é perfeita. Em uma busca pelas “melhores pizzarias da cidade de Nova York”, os resultados foram preenchidos com restaurantes de São Francisco.

    Cathy Edwards, vice-presidente de pesquisa do Google, disse à CNN que ainda é “muito cedo” e que a empresa continuará fazendo mudanças nas próximas semanas e meses.

    “Nós realmente queremos aprender e resolver os problemas”, disse Edwards. “Não queremos trazer essa experiência para todos até que estejamos confiantes de que conseguimos”.

    Ao contrário de outros chatbots, como o ChatGPT, a ferramenta My AI, do Snapchat, e o Bard, a ferramenta do Google Search é deliberadamente desprovida de “persona”.

    “Tomamos uma decisão deliberada de refletir apenas informações na web”, disse Edwards. “Ele não vai responder com ‘eu acho’ ou expressar opiniões sobre as coisas. Não é algo que se parece com muitos outros chatbots”.

    Mas essa escolha pode resultar em uma experiência chocante, se você passou meses usando outras ferramentas. Quando a CNN pediu sugestões à ferramenta do Google sobre como equilibrar trabalho e vida com as crianças em casa, não ofereceu palavras de empatia ou conexão para malabarismos diários, ao contrário de outros chatbots.

    O novo Google Search também oferece um recurso de “Perspectivas” para mostrar o que outras pessoas estão comprando ou pensando e incluir isso nos resultados.

    Outra ferramenta chamada About This Image entende os dados sobre uma imagem, para que os usuários possam fazer perguntas sobre quando o Google viu a imagem pela primeira vez e se ela aparece em outros sites. O recurso destina-se a fornecer “um nível de compreensão de uma imagem, em vez de tomá-la pelo valor de face”, disse Edwards.

    “Uma jornada de 25 anos para a pesquisa”

    Esses esforços destacam o compromisso do Google em avançar com a inteligência artificial, mesmo que a tecnologia por trás dela tenha levantado preocupações.

    Em março, o Google foi chamado a atenção depois que uma demonstração do Bard forneceu uma resposta imprecisa a uma pergunta sobre um telescópio. As ações da Alphabet, controladora do Google, caíram 7,7% naquele dia, eliminando US$ 100 bilhões de seu valor de mercado.

    O chatbot AI da Microsoft também foi chamado a atenção por erros cometidos em uma demonstração.

    Como o ChatGPT, o novo Google Search e o Bard são baseados em um grande modelo de linguagem. Eles são treinados em uma grande quantidade de dados online para gerar respostas convincentes às solicitações dos usuários, mas essas ferramentas também são conhecidas por fornecer respostas erradas ou “inventivas”.

    O Google disse anteriormente à CNN que o Bard serviria como uma experiência separada e complementar ao Google Search e planejava adicionar “consideravelmente” grandes modelos de linguagem para pesquisas “de maneira mais profunda” posteriormente.

    “Estamos em uma jornada de 25 anos para a pesquisa e ainda é um problema não resolvido”, disse Edwards. “O próximo longo evento a ser medido em décadas será este, então queremos ser ousados, mas queremos ser responsáveis e acertar”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original