Astrônomos descobrem pequena, mas poderosa explosão de uma estrela ‘micronova’

Embora possa ser menor do que as gigantescas explosões de supernovas, que tiram a vida das estrelas, esse evento incendiário ainda causa impacto

Ilustração mostra uma anã branca (primeiro plano esquerdo) e uma estrela companheira (fundo direito) onde uma micronova pode ocorrer.
Ilustração mostra uma anã branca (primeiro plano esquerdo) e uma estrela companheira (fundo direito) onde uma micronova pode ocorrer. Mark Garlick

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

Astrônomos descobriram um novo tipo de explosão estelar chamada micronova. Embora possa ser menor do que as gigantescas explosões de supernovas que tiram a vida das estrelas, esse evento incendiário ainda causa impacto.

Cada micronova pode queimar “cerca de 3,5 bilhões de Grandes Pirâmides de Gizé” de material (ou 20 trilhões de quilogramas) em apenas algumas horas, de acordo com os pesquisadores.

Essas explosões extremamente poderosas podem ocorrer na superfície de anãs brancas, ou estrelas mortas tão pequenas quanto o nosso planeta, com base em observações feitas por uma equipe de astrônomos usando o Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul no deserto de Atacama, no Chile.

Descobrimos e identificamos pela primeira vez o que estamos chamando de micronova”, disse a principal autora do estudo, Simone Scaringi, astrônoma e professora assistente da Universidade de Durham, no Reino Unido, em um comunicado.

“O fenômeno desafia nossa compreensão de como ocorrem as explosões termonucleares em estrelas. Pensávamos que sabíamos disso, mas esta descoberta propõe uma maneira totalmente nova de alcançá-las.”

Um estudo detalhando as descobertas publicadas nesta quarta-feira (20) na revista Nature.

Campos magnéticos fortes

Estrelas anãs brancas que são encontradas emparelhadas com outras estrelas extraem hidrogênio de suas companheiras, como zumbis se alimentando de suas estrelas companheiras.

Quando o gás encontra a superfície quente da anã branca, os átomos de hidrogênio se fundem em hélio, provocando uma explosão. Esses eventos são conhecidos como novas.

“Tais detonações fazem toda a superfície da anã branca queimar e brilhar por várias semanas”, disse a coautora do estudo Nathalie Degenaar, astrônoma e professora assistente da Universidade de Amsterdã, em um comunicado.

As micronovas são menores que as novas típicas e duram apenas algumas horas.

Explosões de micronovas ocorrem em anãs brancas que possuem fortes campos magnéticos, que enviam material para os pólos da estrela. Essa trajetória faz com que as reações de fusão do hidrogênio ocorram em pontos mais localizados nos polos magnéticos.

Esta ilustração mostra um sistema de duas estrelas. Um disco azul de material pode ser visto girando em torno de uma anã branca enquanto puxa o material para longe de uma estrela companheira / ESO/M. Kornmesser, L. Calçada

“Isso leva à explosão de bombas de microfusão, que têm cerca de um milionésimo da força de uma explosão de nova, daí o nome micronova”, disse o coautor do estudo Paul Groot, astrônomo e professor da Universidade Radboud, na Holanda, em um comunicado. .

Acompanhamento de eventos intensos, mas breves

A equipe de pesquisa detectou as microexplosões depois de passar por dados coletados pela missão Transiting Exoplanet Survey Satellite da Nasa, ou TESS. O satélite é usado para procurar exoplanetas, mas também pesquisa estrelas próximas para procurar planetas localizados ao seu redor.

“Olhando através de dados astronômicos coletados pelo TESS da Nasa, descobrimos algo incomum: um flash brilhante de luz óptica com duração de algumas horas. Pesquisando mais, encontramos vários sinais semelhantes”, disse Degenaar.

Duas das micronovas ocorreram em anãs brancas, e os astrônomos acompanharam a terceira usando o Very Large Telescope para confirmar que também era uma anã branca. Isso permitiu que os pesquisadores declarassem que suas observações eram a descoberta de algo novo.

Agora que as micronovas são sua própria classe de explosão estelar, a equipe de pesquisa espera observar mais delas para ver quão comuns são — especialmente porque desafiam a compreensão atual das explosões estelares.

“Isso só mostra o quão dinâmico é o universo. Esses eventos podem realmente ser bastante comuns, mas por serem tão rápidos, são difíceis de capturar em ação”, disse Scaringi.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN