Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China fecha maior mercado de eletrônicos do mundo em meio à luta contra Covid-19

    Huaqiangbei, movimentada área comercial, está entre os 3 bairros colocados sob um bloqueio obrigatório de 4 dias no distrito de Futian, segundo o governo

    Ponte fechada durante lockdown na China: autoridades de Shenzhen disseram que o surto é impulsionado principalmente pela nova subvariante Omicron BF.15
    Ponte fechada durante lockdown na China: autoridades de Shenzhen disseram que o surto é impulsionado principalmente pela nova subvariante Omicron BF.15 REUTERS/Aly Song/File Photo

    Nectar Gando CNN Business

    em Hong Kong

    A cidade de Shenzhen, no sul da China, fechou na segunda-feira (29) o maior mercado de eletrônicos do mundo e suspendeu o transporte público nas proximidades, enquanto as autoridades impunham bloqueios em todo o bairro em resposta a um pequeno número de casos de Covid.

    Huaqiangbei, uma movimentada área comercial que abriga milhares de barracas que vendem componentes de computadores, peças de telefones celulares e microchips, está entre os três bairros colocados sob um bloqueio obrigatório de quatro dias no distrito de Futian, segundo o governo distrital.

    Os moradores desses bairros estão proibidos de sair de casa, exceto para testes de Covid, que devem ser submetidos diariamente até quinta-feira (1º).

    Todas as empresas nas áreas afetadas estão fechadas até quinta-feira, exceto supermercados, farmácias e hospitais.

    O jantar no restaurante também está suspenso, sendo permitido apenas takeaways.

    A China é um dos últimos lugares do mundo que ainda aplica medidas rigorosas de zero Covid, que dependem de ampla vigilância digital, testes em massa, extensas quarentenas e bloqueios rápidos.

    Nesta terça-feira (30), Shenzhen, um centro internacional de tecnologia de 18 milhões de pessoas, relatou apenas 35 infecções, incluindo 11 casos assintomáticos.

    A abordagem pesada fez com que dezenas de bairros em Shenzhen fossem identificados como “áreas de alto risco” e colocados sob estritas ordens de bloqueio.

    Vídeos compartilhados por moradores nas redes sociais mostram barreiras de metal – algumas cobertas com arame farpado – erguidas do lado de fora de prédios residenciais, impedindo os moradores de sair.

    Os distritos de Luohu e Longgang também fecharam todos os locais de entretenimento e parques públicos e proibiram reuniões de conferências e apresentações de dança de quadrilha.

    As autoridades também suspenderam o serviço em 24 estações de metrô e centenas de estações de ônibus em Shenzhen, inclusive em torno do mercado de eletrônicos Huaqiangbei.

    Em uma entrevista coletiva na segunda-feira, autoridades de Shenzhen disseram que o surto é impulsionado principalmente pela nova subvariante Omicron BF.15, que eles disseram ser mais transmissível e mais difícil de detectar.

    “O próximo período será o período mais estressante, de alto risco e sombrio para prevenção e controle de epidemias em nossa cidade”, disse um funcionário de Shenzhen na entrevista coletiva.

    Surtos na China

    A estratégia de zero Covid da China enfrentou desafios crescentes da variante Ômicron altamente infecciosa, com grandes áreas do país sujeitas a bloqueios contínuos e testes diários.

    As restrições intermináveis ​​derrubaram a vida cotidiana e deram um duro golpe na economia em desaceleração.

    Em julho, o desemprego juvenil na China atingiu um recorde, com um em cada cinco jovens desempregados.

    No início deste mês, surtos de Covid na ilha turística de Hainan e nas regiões ocidentais de Xinjiang e Tibet prenderam dezenas de milhares de turistas.

    Na metrópole de Chongqing, no sudoeste, as autoridades ordenaram testes de Covid em massa durante uma onda de calor recorde, deixando milhões de moradores sob o sol por horas enquanto lutavam com temperaturas extremas e falta de energia.

    E esta semana, a província vizinha de Sichuan relatou um ressurgimento do vírus.

    Chengdu, capital da província de 20 milhões de pessoas, identificou 205 infecções nesta terça-feira, depois que as autoridades realizaram testes em massa em toda a cidade.

    O surto, relatado pela primeira vez na quinta-feira passada, estava ligado a uma piscina, segundo as autoridades.

    Em meio a temores de um bloqueio prolongado em toda a cidade, os moradores de Chengdu correram para comprar mantimentos e necessidades diárias nos supermercados.

    Em Shijiazhuang, capital da província de Hebei, no norte da China, as autoridades suspenderam o transporte público em toda a cidade no fim de semana, depois que 30 infecções foram encontradas durante testes em massa.

    A cidade é o lar de 11 milhões de pessoas.

    Na cidade portuária de Tianjin, no norte, 20 infecções foram relatadas após testes em toda a cidade na sexta-feira.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original