Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cientistas conseguem novas imagens do asteroide apelidado de “osso de cachorro”

    "A ciência faz muitos progressos graças ao estudo de aparições estranhas", afirmou um pesquisador sobre o fato de Kleopatra, o asteroide, ter duas luas

    Imagem aproximada do asteroide Kleopatra
    Imagem aproximada do asteroide Kleopatra Reprodução/CNN

    Ashley Stricklandda CNN

    Novas imagens jogaram luz em uma brincadeira de “pega” de outro mundo.

    Astrônomos capturaram as imagens mais detalhadas até o momento do asteroide 216 Kleopatra – um asteroide com duas luas que, por acaso, se parece muito com um osso de cachorro.

    As novas observações foram feitas usando o Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul no Chile, e a clareza nítida das imagens ajudou os cientistas a aprender mais sobre a massa e a forma 3D do asteroide.

    Esta informação poderia lançar mais luz sobre como o asteroide e suas duas luas se formaram.

    Em seu ponto mais próximo da Terra, Kleopatra está a 200 milhões de quilômetros de distância.

    Dois estudos incluindo as observações foram publicados nesta quinta-feira (09) na revista Astronomia & Astrofísica. Uma das pesquisas estava focada na forma do asteroide, enquanto a outra olhou mais de perto sua massa, bem como a de suas luas.

    “Kleopatra é realmente um corpo único em nosso Sistema Solar“, disse Franck Marchis, autor principal do estudo da forma 3D, em uma declaração.

    “A ciência faz muitos progressos graças ao estudo de aparições estranhas. Acho que Kleopatra é uma dessas, e compreender este complexo sistema de múltiplos asteroides pode nos ajudar a aprender mais sobre nosso Sistema Solar”.

    Marchis é astrônomo sênior do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, e também é filiado ao Laboratoire d’Astrophysique de Marseille, França.

    O asteroide de forma incomum está localizado na cintura principal de asteroides entre Marte e Júpiter e orbita o Sol. Observações de radar feitas do Kleopatra há 20 anos revelaram sua forma: dois lóbulos que estão ligados por um pescoço grosso.

    Marchis e sua equipe descobriram duas pequenas luas orbitando o asteroide em 2008, que receberam o nome de AlexHelios e CleoSelene, em homenagem aos filhos de Cleópatra.

    Instrumentos no Very Large Telescope conseguiram capturar imagens de Kleopatra entre 2017 e 2019. Isto permitiu aos astrônomos ver Kleopatra e suas luas de diferentes ângulos para entender melhor sua forma 3D.

    Os cientistas determinaram que um dos lóbulos do asteroide é maior do que o outro, e tem cerca de 269 quilômetros de comprimento – cerca de metade do comprimento do Canal da Mancha.

    Os pesquisadores também utilizaram as observações para entender melhor as órbitas das duas luas de Kleopatra.

    “Isto tinha que ser resolvido”, disse Miroslav Broz, autor do estudo das luas e pesquisador do Instituto Astronômico da Universidade Charles, na República Tcheca, em uma declaração. “Porque se as órbitas das luas estavam erradas, tudo estava errado, inclusive a massa de Kleopatra”.

    As descobertas do último estudo lunar permitiram aos pesquisadores determinar como a gravidade do asteroide influencia os movimentos das luas.

    Os astrônomos também foram capazes de calcular a massa do asteroide, que é 35% menor do que o estimado anteriormente.

    Imagens mostram diferentes ângulos do asteroide “osso de cachorro” / Reprodução/CNN

    A densidade de Kleopatra é menos da metade da do ferro, o que significa que, embora o asteroide seja de composição metálica, é provavelmente poroso e de origem de uma “pilha de resíduos” de asteroides.

    Os asteroides formados por esses resíduos são um aglomerado de rochas espaciais mantidas juntas pela gravidade, e eles geralmente se formam à medida que as peças se reagrupam após um impacto maciço, como um asteroide maior sendo atingido por outra rocha espacial.

    O fato de Kleopatra poder ser desse gênero também poderia explicar porque ele tem duas luas. Ele gira tão rapidamente que é possível que o material se levante da superfície se Kleopatra for atingido ou cortado por algo – mesmo algo pequeno.

    Pedaços de Kleopatra poderiam ter se quebrado no passado, formando as luas AlexHelios e CleoSelene.

    O Telescópio Extremamente Grande do Observatório Europeu do Sul (ELT), previsto para começar as observações do Chile em 2027, poderia fornecer ainda mais detalhes sobre o asteroide.

    “Mal posso esperar para apontar o ELT para Kleopatra, para ver se há mais luas e refinar suas órbitas para detectar pequenas mudanças”, disse Marchis.