Com GPS, ovos falsos de tartaruga desvendam rotas do comércio ilegal de animais

Colocados em ninhos de tartaruga como isca para traficantes, ovos falsos com GPS permitem que criminosos sejam rastreados

Comércio ilegal de ovos é amaça para reprodução de tartarugas
Comércio ilegal de ovos é amaça para reprodução de tartarugas Foto: Helen Pheasey/ Twitter/ Reprodução

Por Nell Lewis, da CNN

Ouvir notícia

O celular da pesquisadora Helen Pheasey vibrou e ela começou a acompanhar um rastreador online: um pequeno ponto circular apareceu no mapa e começou a se mover do litoral para o interior da Costa Rica.

“Simplesmente continuou se movendo”, diz ela. “Estou verificando a cada hora, e isso vai cada vez mais longe.”

Pheasey, estudante de doutorado no Instituto Durrell de Conservação e Ecologia no Reino Unido, estava rastreando um item roubado – mas não um item comum.

Leia também:
20 novas espécies são encontradas nos Andes bolivianos

O que os brasileiros esperam para 2021? Conheça os termos mais citados

O ponto estava rastreando a jornada de um ovo de tartaruga falso, que Pheasey plantou no fundo de um ninho de tartaruga real no dia anterior. O ovo foi escalfado e traficado para um cais de carregamento de supermercado a 137 quilômetros de distância de onde foi roubado, onde provavelmente foi vendido.

Apelidado de “InvestEGGator”, o falso ovo de tartaruga – aproximadamente do tamanho de uma bola de pingue-pongue – foi desenvolvido por cientistas da ONG americana Paso Pacifico, que se concentra na proteção dos ecossistemas costeiros da América Central.

Feito de um material emborrachado chamado NinjaFlex, os ovos falsos são pintados com uma tinta texturizada especial – desenvolvida pela artista de efeitos especiais de Hollywood Lauren Wilde – que emite um tom amarelado.

Os ovos falsos parecem reais, mas trazem, dentro deles. um cartão SIM com um transmissor GPS que usa redes móveis para transferir dados de localização.

A Paso Pacifico desenvolveu as iscas como uma ferramenta para combater o tráfico. A organização estima que traficantes destroem mais de 90% dos ninhos de tartarugas marinhas em muitas das praias desprotegidas da América Central para vender os ovos ao comércio ilegal de animais selvagens.

Em um projeto de pesquisa de dois anos que começou em 2017, Pheasey implantou 101 ovos falsos em ninhos de oliva e tartarugas marinhas verdes em quatro praias da Costa Rica, para testar sua eficácia no rastreamento de rotas comerciais.

Os resultados de seu estudo, publicado este ano, mostram que os dispositivos podem ajudar a quebrar o comércio ilegal de animais selvagens não apenas em tartarugas, mas em uma série de espécies vulneráveis.

Helen Pheasey escondeu ovos falsos no ninho de tartarugas, mirando o comércio il
Helen Pheasey escondeu ovos falsos no ninho de tartarugas, mirando o comércio ilegal
Foto: Helen Pheasey/ Twitter/ Reprodução

 

Plantando os ovos falsos

Pheasey e sua equipe plantaram as iscas durante a noite, depois que as tartarugas cavaram seus ninhos e correram de volta para o mar. Com apenas um ovo falso escondido dentro de uma ninhada de mais de 100 ovos, ela esperava que eles não fossem detectados por caçadores.

Se os ovos falsos fossem retirados dos ninhos, o cartão SIM encontraria um sinal e enviaria um alerta com coordenadas de GPS para Pheasey.

“É como o seu telefone celular”, disse ela à CNN. “Se você enterrar seu telefone na areia, não terá nenhum sinal. Mas, assim que forem descobertos, eles ficarão online.”

Dos 101 ovos de isca implantados, um quarto foi ilegalmente levado e cinco forneceram rastros com sucesso.

As faixas variaram em extensão. Um dos ovos viajou menos de 50 metros para a casa de praia mais próxima, um se moveu dois quilômetros, enquanto outro viajou 137 quilômetros para o interior, fornecendo evidências sólidas do comércio de ovos de tartaruga .

Em alguns casos, as viagens revelaram toda a cadeia de comércio: do caçador-traficante ao vendedor e à residência do cliente, diz Pheasey.

Policiamento de comércio ilegal

Essa inteligência pode ajudar a fortalecer a aplicação da lei, permitindo que as autoridades visem traficantes e redes criminosas, em vez de caçadores furtivos locais, que geralmente são “indivíduos marginalizados tentando ganhar dinheiro rápido”, disse Pheasey.

Embora os ovos de tartaruga tenham sido comidos por comunidades costeiras durante séculos, o aumento da demanda em vilas e cidades em todo o mundo – combinado com outras ameaças crescentes às tartarugas, como pesca excessiva e emaranhamento de rede – torna esta prática insustentável, diz Sarah Otterstrom, cientista e diretor executivo da Paso Pacifico.

“Eles agora são considerados uma iguaria e um afrodisíaco”, disse ela à CNN. “Em muitos bares e restaurantes, as pessoas fazem sopa de ovo de tartaruga ou colocam um ovo de tartaruga cru em uma bebida.”

À medida que mais populações de tartarugas diminuem, a proteção de seus ovos é crucial para garantir sua sobrevivência.

No entanto, antes que os ovos de isca possam ser usados ??efetivamente para a conservação e aplicação da lei, alguns obstáculos permanecem. A Paso Pacifico está trabalhando para estender a vida útil da bateria dos ovos, que dura apenas alguns dias quando eles estão enviando alertas de localização de hora em hora.

Ovos falsos são idênticos aos ovos comuns, roubados por caçadores
Ovos falsos são idênticos aos ovos comuns, roubados por caçadores
Foto: Helen Pheasey/ Twitter/ Reprodução

 

Pheasey identificou a baixa recepção de sinal nas áreas costeiras como outra possível limitação, mas Otterstrom não vê isso como um grande problema. “Embora possa haver praias remotas e sem tecnologia de celular, conforme os ovos vão chegando aos mercados, inevitavelmente se deparam com torres de celular”, diz ela.

O importante é que a tecnologia de rastreamento é acessível, amplamente disponível e funciona na maioria dos países ao redor do mundo, portanto, pode ser usada para identificar o comércio internacional, diz ela.

Paso Pacifico vendeu suas iscas de ovos de tartaruga, por cerca de US$ 60 o ovo, para projetos de conservação e agências fiscalizadoras, incluindo um governo sul-americano não divulgado.

Otterstrom diz que Paso Pacifico planeja adaptar a tecnologia para funcionar com outras espécies cujos ovos são vulneráveis ??ao comércio ilegal, como papagaios ou crocodilos.

A organização está trabalhando com um grupo no Equador para combater a horrível caça a tubarões, desenvolvendo dispositivos de rastreamento que podem ser embutidos nas nadadeiras dos animais capturados e vendidos legalmente. Isso ajudaria a revelar as rotas de comércio internacional, diz Otterstrom.

Com o comércio ilegal global de animais selvagens estimado em até US$ 23 bilhões de dólares anualmente, a tecnologia de rastreamento é uma ferramenta com grande potencial.

“Inteligência é a chave para a prevenção”, diz Pheasey. “Isso significa que você está sempre à frente dos caçadores, e não atrás. Precisamos ser proativos, não reativos.”

Mais Recentes da CNN