Conectividade prometida por Musk a Bolsonaro será importante para regiões remotas e agronegócio, diz especialista

Durante encontro com Elon Musk, o presidente do Brasil afirmou que parceria com o dono da Starlink deve levar conexão de internet a 19 mil escolas rurais brasileiras e ajudar no monitoramento da Amazônia

Elis FrancoIngrid Oliveirada CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Após o encontro do presidente Jair Bolsonaro (PL) com o bilionário Elon Musk, que anunciou parceria para trazer conectividade para 19 mil escolas brasileiras e para ajudar no monitoramento da Amazônia, surgiram várias questões sobre como essa conexão deve ocorrer no país.

À CNN, o especialista em tecnologia e segurança Arthur Igreja disse que a estratégia de Musk em posicionar a rede de satélites e levar internet para qualquer ponto da Terra.

“A estratégia de Musk em posicionar essa rede de satélites, chamados suborbitais, como mostra a reportagem, ficam a 550 km de altura, possibilita levar internet a qualquer ponto da Terra instantaneamente. Aqui no Brasil, nas regiões remotas e também para o agronegócio, seria muito importante contar com esse tipo de conectividade”, afirma Igreja.

Igreja destacou que a Starlink já está presente no Brasil e que levar à conexão para lugares remotos é importante.

“Essas tecnologias são complementares. [Nos locais] onde passar cabo não for um problema, o melhor custo-benefício possivelmente é a internet cabeada. Agora, para os lugares longínquos, entre não ter internet e ter uma possibilidade como a da Starlink, é muito melhor ter essa parceria que o Elon Musk está oferecendo”, disse.

Na sexta-feira (20), Bolsonaro afirmou que a parceria com o dono da Starlink, que pretende prover conexão de internet a 19 mil escolas rurais brasileiras e um monitoramento ambiental da Amazônia, ajudará no combate ao desmatamento e queimadas na região.

“Vamos mostrar que a Amazônia é preservada. Existem nichos de queimada e desmatamento irregular. Mas essa participação dele com os seus satélites vai ajudar a preservar”, declarou Bolsonaro.

(Assista ao vídeo completo acima)

Mais Recentes da CNN