Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    De onde vieram os baobás? Cientistas desvendam mistério de árvores milenares

    Baobás podem viver por mais de mil anos, atuando como espécies-chave em ambientes de floresta seca em partes da África e da Austrália

    Baobás em Madagascar
    Baobás em Madagascar Giovanni Mereghetti/UCG/Universal Images Group via Getty Images

    Tom Pageda CNN

    Por milhões de anos, poderosos baobás têm permanecido de sentinela em três diferentes massas de terra, colocando uns aos outros uma questão existencial: quem veio primeiro?

    As árvores gigantes, com troncos inchados e copas atarracadas, são inconfundíveis. Os baobás podem viver por mais de mil anos, atuando como espécies-chave em ambientes de floresta seca em Madagascar, uma faixa da África continental e no noroeste da Austrália. Conhecidas como “mãe da floresta” e “árvore da vida”, quase todas as partes da árvore podem ser usadas por humanos e animais, o que significa que elas têm um valor enorme para cada ecossistema que habitam.

    Sua reputação foi apenas reforçada pelo mistério sobre sua origem. Até agora, a ciência teve que se contentar com múltiplas hipóteses conflitantes – a teoria dominante sendo que elas vieram da África continental. Não é assim, de acordo com um estudo publicado no mês passado na revista Nature. Uma equipe de acadêmicos internacionais sequenciou com sucesso os genomas de cada uma das oito espécies de baobás, examinando a relação entre elas e concluindo que elas se originaram em Madagascar.

    A notícia chega quando as árvores enfrentam um declínio acentuado na ilha, lar de seis espécies de baobá, com uma delas provavelmente extinta até 2080, de acordo com o estudo, a menos que intervenções significativas sejam implementadas.

    Os biólogos tiveram dificuldade em determinar as origens da árvore, pois nenhum fóssil de baobás antigos ou seus ancestrais foi descoberto, explicou o Wan Jun-Nan, um dos autores do estudo e pesquisador do Jardim Botânico de Wuhan em Hubei, China. Os dados genéticos recuperados de baobás em estudos anteriores eram limitados, ele continuou. Mas com a primeira sequência completa do genoma de cada espécie, “podemos contar uma boa história sobre a história evolutiva”, ele argumentou.

    Essa história começa com o surgimento dos baobás em Madagascar há cerca de 21 milhões de anos, antes que o gênero (nome científico Adansonia) começasse a se diversificar, e duas espécies chegaram à África e à Austrália há cerca de 12 milhões de anos. Isso ocorreu bem depois da separação do “supercontinente” Gondwana, então é provável que o baobá tenha se espalhado através de sementes transportadas pelo oceano em detritos flutuantes causados por inundações repentinas, segundo os pesquisadores.

    O estudo, uma colaboração entre o Jardim Botânico de Wuhan, na China, os Jardins Botânicos Reais no Reino Unido, a Universidade de Antananarivo em Madagascar e a Queen Mary University of London, também conseguiu rastrear o fluxo gênico entre as espécies dos oito tipos de baobá pela primeira vez. Esses dados, que demonstraram baixa diversidade genética entre duas espécies e cruzamento de uma espécie com outra mais populosa, oferecem insights sobre a competição entre baobás hoje, disse o Wan, e podem ajudar a proteger as árvores do futuro.

    “Esperamos que, no futuro, o povo de Madagascar possa cuidar dos baobás considerando-os como espécies diferentes, não como um todo”, acrescentou.

    Apenas uma espécie de baobá não está incluída na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN): A. digitata, que povoa a África continental. Três espécies em Madagascar estão ameaçadas de extinção, e o estudo recomendou que a IUCN recategorize uma delas, A. suarezensis, de “em perigo” para “criticamente em perigo”. A modelagem climática indicou que a espécie pode se extinguir em 50 anos sem uma intervenção maior.

    Essa previsão é “plausível” e “destaca a necessidade urgente de ação”, segundo Seheno Andriantsaralaza, uma ecologista tropical que trabalha em Madagascar.

    Andriantsaralaza, que não participou da pesquisa, apoiou o apelo para atualizar o status da IUCN de certos baobás malgaxes. Embora ela tenha descrito o estudo como “fantástico e significativo”, gerando insights genéticos “valiosos”, ela alertou que representa “apenas uma peça do quebra-cabeça na compreensão da história evolutiva e dos mecanismos de dispersão dessas icônicas árvores gigantes”.

    A modelagem do estudo concluiu que a área de distribuição das espécies de baobá tem diminuído na ilha por milênios, com a mudança climática causada pelo homem e o desmatamento contínuo exacerbando a redução e fragmentação das populações de baobá nas últimas décadas.

    Andriantsaralaza disse que “é crucial reconhecer que, em meio aos desafios, há histórias de sucesso locais e iniciativas lideradas por organizações e pesquisadores locais”.

    Ela citou o grupo de conservação Madagasikara Voakajy, que coordena projetos no norte da ilha focados na proteção de A. perrieri e A. suarezensis. Além disso, o PEER, um programa apoiado pela USAID do qual ela participa, visa capacitar os locais a contribuir para a gestão sustentável do ecossistema.

    “As florestas de baobá de Madagascar pertencem às comunidades locais que dependem dos recursos naturais para alimentar suas famílias”, acrescentou. “Eles devem fazer parte da solução, não do problema.”

    Wan disse que esperava que a pesquisa e a atenção da mídia incentivassem mais esforços de conservação dos baobás da ilha.

    Embora celebrando o avanço, ele reconheceu as limitações do estudo – apenas um indivíduo por espécie foi sequenciado – embora esperasse que pesquisas futuras expandissem a amostragem e respondessem a outras questões pendentes sobre as árvores.

    A probabilidade de encontrar evidências fósseis para confirmar as conclusões dos dados genéticos é pequena, admitiu Wan. Portanto, talvez essas majestosas árvores possam manter um pouco do seu mistério, afinal.

    Cientistas descobrem fósseis de mamíferos semelhantes a criatura de “O Hobbit”

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original