Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fósseis de três novas espécies de mamíferos que botam ovos são descobertos

    Pesquisa aponta para a existência de uma "Era dos Monotremados" na Austrália cerca de 100 milhões de anos atrás

    Seis monotremados mamíferos que botam ovos) vivendo no mesmo lugar e ao mesmo tempo, 100 milhões de anos atrás, na Austrália
    Seis monotremados mamíferos que botam ovos) vivendo no mesmo lugar e ao mesmo tempo, 100 milhões de anos atrás, na Austrália Ilustração de Peter Shouten

    Fernanda Pinottida CNN

    Uma equipe de cientistas descobriu evidências de que teria existido uma “Era dos Monotremados” — mamíferos que botam ovos — após encontrar fósseis de três novas espécies em um campo de opala na Austrália.

    A pesquisa foi liderada por dois cientistas especializados em mamíferos, Tim Flannery, professor associado ao Museu Australiano, e Kris Helgen, cientista-chefe e diretor do Instituto de Pesquisa do Museu Australiano, e foi publicada na revista de paleontologia australiana Alcheringa no último domingo (26).

    Os fósseis foram encontrados nos campos de opala de Nova Gales do Sul, na Austrália, e datam da Idade Cenomaniana do Período Cretáceo, entre 102 milhões e 96,6 milhões de anos atrás.

    Os três novos monotremados descobertos foram: Opalios splendens – uma espécie que compartilha características tanto com a equidna quanto com o ornitorrinco; Dharragarra aurora – uma espécie de ornitorrinco; e Parvopalus clytiei – uma terceira espécie menor que as outras.

    Segundo o professor Flannery, a pesquisa indica que a Austrália era o lar de uma grande diversidade de mamíferos que botam ovos há 100 milhões de anos. Até hoje, as cinco espécies de monotremados que permanecem vivas — os ornitorrincos e quatro espécies de equidnas — existem apenas na Oceania.

    “Hoje, a Austrália é conhecida como uma terra de marsupiais, mas a descoberta destes novos fósseis é a primeira indicação de que a Austrália já foi o lar dos monotremados. É como descobrir uma civilização totalmente nova”, disse Flannery.

    Professor Tim Flannery, associado do Museu Australiano e renomado pesquisador de mamíferos / James Alcock/Museu Australiano

    A descoberta aumenta em 20% a diversidade de monotremados em relação aos que já eram conhecidos anteriormente. Isso sugere que a árvore genealógica dos monotremados pode ser bem mais complexo da que conhecemos.

    “O que há de tão incomum nesta história exclusivamente australiana é que, de repente, vemos seis diferentes mamíferos que põem ovos vivendo juntos [na cidade de] Lightning Ridge, há mais de 100 milhões de anos. Todos eles possuem destinos evolutivos potenciais que podem seguir em diferentes direções, e todos eles são ancestrais e parentes muito distantes dos atuais monotremados vivos”, acrescentou o professor.

    Animais extintos são recuperados graças à ciência