Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Empresa americana abre hoje reserva ao público para voos de turismo ao espaço

    Interessado terá que desembolsar US$ 450 mil pelo passeio que terá duração de 01h30

    Renan de Souzada CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    Quem sempre sonhou em viajar ao espaço pode ficar mais próximo de realizar esse desejo a partir desta quarta-feira (16). Para isso, o interessado terá que pagar US$ 450 mil (equivalente a mais de R$ 2,3 milhões). Para reservar um assento no voo, basta acessar o site da empresa Virgin Galactic, do bilionário britânico Richard Branson.

    Para garantir a vaga, os aspirantes a astronautas têm que pagar US$ 150 mil como depósito inicial. O restante terá que ser quitado antes da viagem.

    O voo está programado para partir do estado americano do Novo México e terá duração de 90 minutos. Os passageiros poderão flutuar por vários minutos e admirar o planeta Terra por ângulos impressionantes através das 17 janelas da espaçonave.

    O valor da reserva dessa jornada espacial inclui acesso à comunidade de Astronautas do Futuro, que garante ingresso a eventos, viagens e atividades de preparação para o espaço antes da viagem.

    “Planejamos ter nossos primeiros mil clientes a bordo no início do serviço comercial ainda este ano, fornecendo uma base incrivelmente forte à medida que iniciamos as operações regulares e dimensionamos nossa frota”, afirmou o CEO da Virgin Galactic Michael Colglazier.

    As ações da Virgin Galactic têm caído mais de 66% desde outubro do ano passado, quando a companhia adiou o início do seu serviço comercial de viagens ao espaço para 2022. Mas, após o anúncio da venda de viagens ao público, as ações da empresa subiram mais de 10%.

    Atualmente, o mundo acompanha a corrida pela exploração espacial comercial com uma disputa entre as empresas Virgin Galactic, de Richard Branson, SpaceX, de Elon Musk e Blue Origin, de Jeff Bezos. As companhias buscam transformar o turismo espacial em realidade e algumas já lançaram missões civis.

    O movimento desse mercado também vem acompanhado de críticas entre aqueles que defendem que esses magnatas deveriam focar em ajudar a resolver os problemas que ainda persistem na terra, como fome, miséria, doenças e outras desigualdades sociais.

    Mais Recentes da CNN