Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Farmacêutica diz que encontrou anticorpo que protege 100% contra Covid-19

    Companhia não detalha como o estudo foi conduzido, mas diz que analisou bilhões de anticorpos e identificou que um deles bloqueou completamente a infecção

    Cientista conduz pesquisa sobre possível vacina contra o novo coronavírus em San Diego, Califórnia
    Cientista conduz pesquisa sobre possível vacina contra o novo coronavírus em San Diego, Califórnia Foto: Bing Guan – 17.mar.2020/ Reuters

    A farmacêutica norte-americana Sorrento Therapeutics afirmou ter encontrado um anticorpo que protege 100% contra o novo coronavírus. Segundo o anúncio da empresa, feito na sexta-feira (15), “o anticorpo STI-1499 demonstrou 100% de inibição da infecção pelo vírus” em um experimento in vitro.

    A companhia não detalha como o estudo foi conduzido, mas diz que analisou bilhões de anticorpos e identificou que alguns deles demonstraram a habilidade de bloquear a interação da proteína do novo coronavírus com uma espécie de receptor localizado nas células humanas. 

    Dentre esses anticorpos, um deles conseguiu bloquear completamente a infecção, o STI-1499. Contudo, segundo um comunicado da Sorrento Therapeutics, trata-se de um estudo pré-clínico, ou seja, ainda não se sabe qual a eficácia em seres humanos.

    Assista e leia também: 
    Estudo chinês indica desenvolvimento de anticorpos após infecção por COVID-19
    Anticorpo que neutraliza coronavírus é identificado em testes laboratoriais
    Roche obtém aprovação dos EUA para testes com anticorpos para COVID-19

    A empresa afirma que o STI-1499 pode ser o primeiro anticorpo presente no coquetel que está desenvolvendo, e os pesquisadores esperam que ele funcione como uma terapia autônoma em razão da “alta potência” mostrada nos experimentos.

    A Sorrento diz ainda que planeja solicitar avaliação e revisão dos órgãos reguladores “para disponibilizar o possível tratamento o quanto antes”. A companhia estima que, após aprovação, conseguirá produzir até 200 mil doses por mês da substância.

    Segundo o comunicado, a empresa está em busca da aprovação da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, em inglês) para iniciar testes em seres humanos, e também de “apoio do governo norte-americano e outras farmacêuticas para aumentar ainda mais a capacidade de fabricação do STI-1499”.