Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Imagem química revela os segredos ocultos em pinturas egípcias

    Tecnologia de ponta permite fazer análises dentro das tumbas, ao invés de apenas museus ou laboratórios

    Pesquisadores descobriram detalhes ocultos em antigas pinturas egípcias usando imagens químicas
    Pesquisadores descobriram detalhes ocultos em antigas pinturas egípcias usando imagens químicas Theban Tombs Project (LAMS MAFTO CNRS - CA Uliège)

    Jacopo Priscoda CNN

    Pesquisadores usando uma técnica de ponta descobriram detalhes ocultos em duas antigas pinturas egípcias na Necrópole de Tebas, perto do rio Nilo, que datam de mais de 3 mil anos. As pinturas estão localizadas dentro dos túmulos, em capelas onde as pessoas se reuniam para celebrar os mortos.

    Usando tecnologia de imagem química portátil, os pesquisadores identificaram alterações feitas pelos artistas que são raras nas pinturas egípcias, comumente consideradas o produto de fluxos de trabalho altamente formalizados.

    O estudo também está tentando derrubar a tradição da egiptologia, já que a análise foi realizada nas tumbas com dispositivos portáteis avançados, enquanto a maioria dos estudos é tradicionalmente realizada em museus ou laboratórios.

    “O que é novo é a maneira como estamos tentando usar essas ferramentas”, disse Philippe Martinez, egiptólogo da Universidade Sorbonne em Paris e principal autor do estudo publicado na quarta-feira (12) na revista PLOS ONE.

    “A forma como essas obras de arte foram tratadas antes foi principalmente, puramente analógica, e elas foram um tanto assumidas – ninguém realmente as olhou do ponto de vista dos artistas. Queremos entender como essas pinturas foram feitas”.

    A tecnologia de imagem química envolve fluorescência de raios-x. Os raios-x, que são mais comumente usados na verificação de fraturas, criam um mapa da superfície da pintura até o nível molecular, incluindo suas propriedades químicas.

    Outro processo, a imagem hiperespectral, analisa a pintura em vários comprimentos de onda, como ultravioleta ou infravermelho, revelando mais do que é visível ao olho humano. A tecnologia digital foi usada em duas tumbas que datam do período Ramesside (1292 aC a 1075 aC) no antigo Egito.

    A fluorescência de raios-x na tecnologia de imagem química ajuda a revelar alterações feitas nas pinturas das tumbas egípcias que podem não parecer óbvias a olho nu / Theban Tombs Project (LAMS MAFTO CNRS – CA Uliège)

    Mãos desaparecendo

    A primeira pintura no estudo está nas capelas do túmulo de Menna, um oficial que serviu ao faraó Amenhotep III. A obra é considerada “o apogeu da pintura egípcia antiga”, observou o estudo, e a alteração observada é atualmente visível a olho nu – possivelmente como resultado de alteração química ao longo do tempo – mas foi ocultada quando a pintura era nova.

    “Menna é um pouco como a Mona Lisa do Egito”, disse Martinez. “É um dos melhores túmulos, conhecido há 200 anos, muito bem preservado”.

    Em uma cena, Menna e sua esposa estão adorando Osíris, um dos deuses mais importantes do antigo Egito, e Menna levanta as mãos na frente do rosto. Uma terceira mão, no entanto, está escondida sob a camada de fundo branco, deixando claro que a figura foi retocada.

    “Já sabíamos que estava lá. Temos uma visão muito clara do braço secundário que foi alterado posteriormente. Mas não podemos dizer quando foi alterado, nem mesmo por que foi alterado”, disse Martinez.

    “O interessante é que, mesmo que tenha sido visto apenas como um erro a ser corrigido, a forma como é corrigido difere muito, muito fortemente do original. Ou o dono da tumba, ou o grupo de artistas, ou quem estava dirigindo o processo, viu isso como algo errado, mas foi corrigido com materiais e meios artísticos que mostram um pensamento completamente diferente”.

    Esse pequeno detalhe pode sugerir novas pistas sobre o processo de pintura. Embora geralmente se acredite que as decorações dos túmulos sejam obra de várias pessoas trabalhando em paralelo, essas modificações abrem a possibilidade de que as pinturas tenham sido feitas por diferentes grupos em diferentes sessões, observou o estudo.

    Aqui está uma visão detalhada da mão que foi apagada / Theban Tombs Project (LAMS MAFTO CNRS – CA Uliège)

    A outra pintura está na tumba de Nakhtamun, um clérigo. Ao contrário das que estão na tumba de Menna, essas obras são subestimadas e “simplesmente inacessíveis”, segundo o estudo. A análise da pintura do faraó Ramsés II revelou várias alterações em sua coroa, colar e outros itens reais, provavelmente devido a alguma mudança no significado simbólico ao longo do tempo.

    “Esta representação de Ramsés II, curiosamente, mostra-o com uma barba em crescimento”, disse Martinez.

    “E isso é muito estranho porque quase não temos imagens de faraós com barba por fazer – eles geralmente parecem oníricos, como super-heróis, mostrados em posições que são eternas de certa forma. Mas mostrar alguém com barba significa mostrar alguém em um momento de sua vida, e isso é muito raro”.

    Alguns dos detalhes que as imagens químicas revelaram são especialmente intrigantes, acrescentou Martinez. “A imagem química estava nos dando não apenas cores diferentes, mas também formas diferentes para o pescoço do rei; o pomo de Adão nunca é mostrado na arte egípcia, mas aqui temos um claramente visível. As correções também mostram uma imagem que não era perfeita”.

    “Os egípcios gostavam de perfeição e beleza, mas não é isso, porque o formato do cetro é um pouco estranho: toca o rosto do rei. Isso mostra como o artista estava realmente trabalhando e como as correções podem levar a algo menos perfeito do que antes. Deve ter um significado, mas isso ainda nos escapa”, disse ele.

    Revirando a tradição

    Ao destacar esses detalhes ocultos por meio de uma análise feita no local, Martinez e seus colegas querem desafiar as suposições tradicionalmente estabelecidas sobre a arte egípcia.

    “Como egiptólogo, estou tentando esquecer o que sei, porque o conhecimento acumulado nos últimos 200 anos está nos impedindo de ver o que está à nossa frente”, disse ele.

    A análise de uma tumba pode levar em média de 10 a 15 anos. Novas ferramentas digitais e avanços tecnológicos ajudam a agilizar o processo / Theban Tombs Project (LAMS MAFTO CNRS – CA Uliège)

    “Temos que reaprender as pinturas egípcias e olhá-las de uma nova maneira, porque as cores agora são muito diferentes do que costumavam ser – esperamos que a análise química nos ajude a realmente redefini-las”.

    Ele acrescenta que as ferramentas digitais também aceleram um processo que de outra forma seria excessivamente lento. “Estudar uma tumba geralmente leva cerca de 10 a 15 anos”, disse ele. “Achamos que é muito longo, porque existem cerca de 500 desses monumentos, então nunca terminaríamos”.

    Desta forma, mesmo as obras que recebem menos atenção, talvez por estarem em pior estado, também podem ser documentadas. “Das 500 tumbas de Luxor, talvez 50 tenham tido uma análise publicada, e algumas das menos conservadas foram deixadas de lado. A missão é tornar a documentação mais precisa e completa possível cada vez que abrimos uma tumba, esteja ela quebrada ou muito bem conservada”.

    Joann Fletcher, egiptólogo e professor do departamento de arqueologia da Universidade de York, no Reino Unido, que não participou da pesquisa, disse que “os resultados deste novo estudo são empolgantes, pois demonstram claramente o potencial de empregar tais cortes técnicas científicas de ponta in situ (no local) para melhor se envolver com material egípcio antigo”.

    Lorelei Corcoran, professora de história da arte e diretora do Instituto de Arte e Arqueologia Egípcia da Universidade de Memphis, no Tennessee, que também não participou da pesquisa, disse que a obra é um exemplo de uma tendência bem-vinda.

    “Isso demonstra o valor potencial dos dados quantitativos, obtidos por meio de análises científicas, para uma interpretação mais abrangente e menos subjetiva da arte egípcia antiga”, disse ela. “E a adaptação de instrumentos portáteis (raios-x) como dispositivos móveis projetados para uso em campo é um avanço muito empolgante no estudo das antigas pinturas murais egípcias”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original